Autodefesa

CAPA-polaco-locoSó agora recebi pelo Correio o exemplar impresso do jornal Rascunho com a resenha que o Domingos Pelegrini corretamente classificou como um ato nazista. Sim, pois pude ver que a capa do jornal, aberta, era uma enorme caricatura do Paulo, o que determina também o tamanho do oportunismo do editor. Nem vou falar novamente do texto do tal “crítico”, pois muito já se falou e o cara apenas ficou ridículo. Chega de publicidade. Agora, cá entre nós, Almir Feijo, Ricardo Corona, Reinoldo Atem, Jaime Lechinski, Leila Pugnaloni, Domingos Pellegrini, meus amigos curitibanos de modo geral, este sujeito acumular o cargo de Diretor da Biblioteca do Paraná é quase como colocar o pastor Feliciano para administrar aquilo que ele mais odeia. No caso do diretor, a cultura do Paraná (excluindo, é claro, os amiguinhos dele). Cabe muito bem um abaixo assinado para o Governador, pedido para que ele continue sendo apenas o editor do jornal, cuidar da cultura paranaense, jamais. Toninho Vaz, do Itanhangá

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Aftosas soldações, alceu dispor, Almir Feijó, Combate Barreirinha, Diretor da Biblioteca Pública do Paraná, Domingos Pellegrini, Don Suelda del Itararé, Editor do Rascunho, leila pugnaloni, Nazista, nora drenalina, Palhaços, Pleonasmos, Rascunho, Reinoldo Atem, Ricardo Corona, Rogério Pereira, solda, solda cáustico, Solda liberdade, Soldades, Soldatti, soruda, toninho vaz e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta