Barbeta

Barbeta pode dizer que vive para Curitiba. Desde adolescente, morando na Vila Hauer, ele vem todos os dias “pra cidade”, pintar as praças e situações que nela lhe sensibilizam. Aos domingos, expõe suas telas na Feira do Largo da Ordem. O que acha que mudou em Curitiba? O número de pedintes. Sensibilza-se mas nada pode fazer, já que vive de sua arte que lhe garante um sustento imediato. No dia em que passou na Praça Tiradentes a pintar essa paisagem urbana, parecia estar naquele programa Praça da Alegria. Muitos transeuntes paravam para admirar e dar palpites. Uma senhora, de origem alemã, quase lhe tira o pincel para uma intervenção que lhe parecia mais adequada. Terno, pero sem perder a dureza, o artista a impediu, convidando-a a trazer seu cavalete e fazer ali sua própria obra, à sua imagem e semelhança. Isso é cidade! Lina Faria, que também fez a foto.

Salvador Barbeta foi meu vizinho na Vila Hauer, por muitos anos, década de 60. Juntos, traduzíamos as letras de “Os The Beatles”, como dizíamos, eu e Manoel Carlos Karam, primeiro para o espanhol, depois para o português. Éramos ouvintes da BBC de Londres, Ritmos del Pop Británico, ondas curtas, em espanhol. Fizemos, inclusive, na época muitas traduções de Roberto Carlos para espanhol. Éramos os ídolos da gurizada, na época. Diferentes. La madre de Barbeta me fez gostar muito de “garbanzo” — grão-de-bico — Luiziño, le gusta garbanzo? Grande Barbeta! Concorda, Reinaldo Godinho?

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Salvador Calvo Barbeta e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta