Cala a boca já morreu

Ruy Castro – Folha de São Paulo

 RIO DE JANEIRO – Há alguns anos, com seu histórico voto de “Cala a boca já morreu”, a ministra Cármen Lúcia, do STF, parecia ter encerrado a discussão sobre as biografias produzidas no Brasil, garantindo-lhes a independência. Pois eis que, de repente, as forças obscurantistas voltam ao ataque. Uma irmã do cantor e compositor cearense Belchior (1946-2017) insurge-se contra o livro do jornalista Jotabê Medeiros, “Apenas um Rapaz Latino-Americano”, biografia do artista lançada há pouco pela editora Todavia.

Como sempre, o livro de Medeiros é “mentiroso”, “cheio de erros” e “ofensivo à honra de Belchior e de sua família”. É normal —as famílias, que julgam saber tudo sobre seus parentes ilustres, sempre se surpreendem com as revelações levantadas pelos biógrafos. Até há pouco, a lei as autorizava a ir aos tribunais e tentar tirar um livro de circulação. Em 1995, conseguiram com que “Estrela Solitária”, minha biografia de Garrincha, passasse um ano proibida, e, em 2006, baniram para sempre “Roberto Carlos em Detalhes”, de Paulo Cesar Araújo.

Só que, do voto de Cármen Lúcia para cá, nenhum autor é obrigado mais a pedir a autorização de ninguém para biografar quem quer que seja e, se o biografado ou sua família não gostar do resultado, que processe o autor e tire-lhe as calças —mas o livro não poderá ser proibido de circular.

Ângela Belchior, a dita irmã, é socióloga, uma mulher instruída. Mas sua declaração, “Nosso objetivo é tirar o livro de circulação, estamos tomando providências”, não faz jus a seus títulos. Cármen Lúcia nela. Não por coincidência, Ângela está escrevendo seu próprio livro sobre o irmão, a sair em 2018.

Ótimo, e boa sorte para esse livro. Mas o de Jotabê Medeiros, que não li e já gostei, não pode ser tocado, a não ser por quem vá às livrarias e compre um exemplar.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Cala a boca já morreu e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta