Cândido de dezembro desta Cândido de dezembro destaca a obra do escritor John Fante

A edição de dezembro do jornal Cândido, editado mensalmente pela Biblioteca Pública do Paraná, traz como destaque a obra do escritor norte-americano John Fante. Em 2018, leitores e fãs de Fante comemoram os 80 anos da publicação de Espere a primavera, Bandini, livro que dá início à trajetória do autor e de seu personagem mais emblemático, o quixotesco Arturo Bandini.

É essa história que o escritor e jornalista Roberto Muggiati conta nas páginas desta edição do Cândido. Tradutor no Brasil dos principais romances de Fante, Muggiati narra a história editorial de redenção protagonizada pelo escritor nascido em 1909 no gelado Estado do Colorado. Além de uma Prateleira Fante, com comentários sobre os romances do autor, a edição de dezembro traz ainda uma recriação dos dois primeiros capítulos de Pergunte ao pó, segundo romance de Fante, em formato HQ, assinada por DW Ribatski.

Na coluna Pensata deste mês, o professor e crítico Luís Augusto Fischer apresenta um breve painel das principais correntes da literatura brasileira em prosa hoje. A poeta gaúcha Angélica Freitas, que participou do projeto Um Escritor na Biblioteca em setembro, relata seu percurso profissional e literário, comentando também sobre seu próximo livro de poemas, que deve ser lançado em março de 2019. A tradutora e jornalista Mariana Sanchez assina reportagem sobre diários de escritores.

Entre os textos inéditos, a edição traz contos de Luiz Roberto Guedes, Carlos Emílio Corrêa Lima e Ale Moretti, além de poemas de Ruy Espinheira Filho e Heitor Ferraz Mello. A ilustração da capa é assinada pelo artista Índio San.ca a obra do escritor John Fante. A edição de dezembro do jornal Cândido, editado mensalmente pela Biblioteca Pública do Paraná, traz como destaque a obra do escritor norte-americano John Fante. Em 2018, leitores e fãs de Fante comemoram os 80 anos da publicação de Espere a primavera, Bandini, livro que dá início à trajetória do autor e de seu personagem mais emblemático, o quixotesco Arturo Bandini.

É essa história que o escritor e jornalista Roberto Muggiati conta nas páginas desta edição do Cândido. Tradutor no Brasil dos principais romances de Fante, Muggiati narra a história editorial de redenção protagonizada pelo escritor nascido em 1909 no gelado Estado do Colorado. Além de uma Prateleira Fante, com comentários sobre os romances do autor, a edição de dezembro traz ainda uma recriação dos dois primeiros capítulos de Pergunte ao pó, segundo romance de Fante, em formato HQ, assinada por DW Ribatski.

Na coluna Pensata deste mês, o professor e crítico Luís Augusto Fischer apresenta um breve painel das principais correntes da literatura brasileira em prosa hoje. A poeta gaúcha Angélica Freitas, que participou do projeto Um Escritor na Biblioteca em setembro, relata seu percurso profissional e literário, comentando também sobre seu próximo livro de poemas, que deve ser lançado em março de 2019. A tradutora e jornalista Mariana Sanchez assina reportagem sobre diários de escritores.

Entre os textos inéditos, a edição traz contos de Luiz Roberto Guedes, Carlos Emílio Corrêa Lima e Ale Moretti, além de poemas de Ruy Espinheira Filho e Heitor Ferraz Mello. A ilustração da capa é assinada pelo artista Índio San.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido, não tem graça." Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Biblioteca Pública do Paraná e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta