Cartas do Bunker 9: Tem uma lua!

Tem sempre uma lua em cima da sua cabeça…

Assim como a visão, com o passar do tempo, a memória da gente também embaça, fica turva e se diverte com isso.

A sensação é de que misturam-se lembranças a sentimentos, com projeções e com reinvenções da realidade. Numa tentativa malandra de adaptar os momentos vividos às nossas vontades.

Saber disso não carrega em si o peso dos arrependimentos, não. Tem mais a ver com aquele desapego que vamos adquirindo às convenções e aprisionamentos erguidos e sustentados ao longo da vida. Tem a ver com a liberdade criativa da maturidade e com aquela travessura de, finalmente, poder dar asas às mais simples vontades, sem prestar contas a ninguém, pois o mundo já nos permite afrouxar os nós. Até se diverte com isso. A exemplo dos avós que estragam os netos como não se permitiram fazer na rígida criação dos filhos. Passaram o bastão a estes.

Mas nesse passeio pelas memórias da gente, volta e meia nos deparamos intrigados com situações que não sabemos ao certo se são integralmente lembranças ou se há muitas e mais reinvenções nisso… Por termos guardado, junto com os acontecimentos – sem registrá-los com o rigor de quem valoriza materializar tudo -, desejos e abstrações.

Queria ter dito isto, feito aquilo, assim e assado… Cabe nessa bagagem também aquela melhor resposta que a gente não deu. É justamente a que o subconsciente armazena e consagra. E, assim, o mundo narrado vira palco de um eterno reviver.

Nada do que posso me alucina

Tanto quanto o que não fiz

Nada do que quero me suprime

Do que por não saber, ‘inda não quis.

(Jura Secreta – Sueli Costa e Abel Silva)

Por isso, a história oral precisa ser muito bem checada. Uma vez contada, traz toda uma carga de sentimentos que permearam aquelas lembranças. Falou em sentimentos e esse mundo de significados de concretudes já liga seu alerta, relativiza, questiona, duvida.

Mas a sinceridade e veracidade das memórias não residem no que aconteceu, mas também no que se sentiu a respeito. Essa parcialidade é que segue em frente e vai inspirar poemas, canções, prosas literárias e as contações de histórias. Suassuna sabia disso e nos presenteou com o bordão do Chicó: “só sei que foi assim!”. Não teria o brilho e o encanto humano que carrega se fosse diferente.

Não vou levar adiante nenhuma informação realista e tacitamente afirmativa da cena que memorizei, até porque me faltam essas referências e a vontade de vasculhá-las. Só sei que tem uma lua imensa em cima de você, que ilumina sua cabeça. Só você não sabe, não percebe e, por isso mesmo, sequer sente a sua presença.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Thea Tavares - Blog do Zé Betio e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta