CataTao&Tal

catatau-camiseta

ergo sum, aliás, Ego sum Renatus Cartesius, cá perdido, aqui presente, neste labirinto de enganos deleitáveis, — vejo o mar, vejo a baía e vejo as naus. Vejo mais. Já lá vão anos 111 me destaquei de Europa e a gente civil, lá morituro. Isso de “barbarus — non intellegor ulli” — dos exercícios de exílio de Ovídio é comigo. Do parque do príncipe, a lentes de luneta, CONTEMPLO A CONSIDERAR O CAIS, O MAR, AS NUVENS, OS ENIGMAS E OS PRODÍGIOS DE BRASÍLIA. Desde verdes anos, via de regra, me’ditò horizontal manhã cedo, só vindo à luz já  sol meiodia. Estar, mister de deuses, na atual circunstância, presença no estanque dessa Vrijburg, gaza de mapas, taba rasa de humores, orto e zoo, oca de feras e casa de flôres. Plantas sarcófagas e carnívoras atrapalham-se, um lugar ao sol e um tempo na sombra. Chacoalham, cintila a água gôta a gôta, efêmeros chocam enxames. Côcos fecham-se em copas, mamas ampliam: MAMÕES. O vapor umedece o bolor, abafa o mofo, asfixia e fermenta fragmentos de fragrâncias. Cheiro um palmo à frente do nariz, mim, imenso e imerso, bom. Bêstas feras entre flôres festas circulam em jaula tripla — as piores, dupla as maiores; em gaiolas, as menores, à ventura — as melhores. Animais anormais engendra o equinócio, desleixo no eixo da terra, desvio das linhas de fato. Pouco mais que o nome o toupinambaoults lhes signou, suspensos apenas pelo nó do apêlo. De longe, três pontos… Em foco. Tatu, esferas rolando de outras eras, escarafuncham mundos e fundos. Saem da mãe com setenta e um dentes, dos quais dez caem aí mesmo, vinte e cinco ao primeiro bocado de terra, vinte o vento leva, quatorze a água, e um desaparece num acidente. Um, na algaravia geral, por nome, Tamanduá, esparrama língua no pó de incerto inseto, fica de pé, zarolho de tão perto, cara a cara, ali, aí, esdruxula num acúmulo e se desfaz eclipsado em formigas. Pela ou na rama, você mettalica longisonans, a araponga malha ferro frio, bentevi no mal-me-quer-bem-me-quer. A dois lances de pedra daqui, volta e meia, dois giros; meia volta, vultos a três por dois. De onde em onde, vão e vêm; de quando em vez, vêem o que tem. Perante o segundo elemento, a manada anda e desanda, papa e bebe, mama e baba. Depois da laguna, enchem a anterior lacuna. Anta, nunca a vi tão gorda. Nuvens que o gambá fede empalidecem o nariz das pacas. Capivara, estômago a sair pelas órbitas, ou, porque tartas se estatelam arrotando capinzais ou, como não sabem senão comer, jogam o gargalo para…

catatau, 1975, página 1

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em A justa razão aqui delira, CataTao&Tal, Catatau, paulo leminski e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

7 respostas a CataTao&Tal

  1. Glerm Soares disse:

    “Bêbado, quem me comprenderá? Bêbado como polaco que é. Vem bêbado, Artyschewsky bêbado… Sãojoãobatavista! E como! AUMENTO o telescópio: na subida, lá vem ARTYSCHEWSKY. Vai me ver com outros olhos ou com os olhos dos outros? E a doença doendo, eu aqui com lentes, esperando e aspirando. Doença do mundo! E esta terra: é um descuido, um acerca, um engano de natura, um desvario, um desvio que só vendo. Estes não. Novamente: a maré de desvairados pensamentos me sobe vômito ao pomo adâmico. Ocaso do sol do meu pensar. Quando verei meu pensar e meu entender voltarem das cinzas deste fio de ervas? Este pensamento sem bússola é meu tormento. A onda está parindo Artischewsky? Uma fera urra dando a luz. Fedor de antas e araras, pela inhaca se conhece a peste que grassa. Lentes e dentes de vidro. Um círculo de giz em volta de meu juízo, uma nuvem, uma caligem, um bafo me embacia o entendimento para que Brasilia… Ergo. Não traduzo nem leio: giro e jazo. Sofro, e este livro sem textos — só ilustração iluminura. Este capítulo não deslindo nem decifro: erro? No grande livro do mundo, páginas enigmáticas incólumes ao siso e à fala. Contacto coeso: compactas coisas. A presença presente no presenciar, a circunstância no circunstancial, a totalidade totalmente no total. A existência existe no existente. Some um círio suando de pensar, aceso na cabeça e as formigas me comendo e me levando em partículas para suas monarquias soterradas. Pensar por pensar. Posso provar: tenho aprovação própria. ”
    (WhaTaTAK?! [o livro dos contracontrários] – pg.01) -> versão do Catatau com todas as frases de trás pra frente -> aguardando autorização dos direitos esquerdos.

  2. Glerm Soares disse:

    * ou melhor: copyleft (ɔ) – “canhotos autorais”

  3. Solda disse:

    Boa, Glerm. Sempre rápido no gatilho!

  4. Solda disse:

    Ambidestros autorais, pode?
    Quaxquáx!

    Solda

  5. Glerm Soares disse:

    Para o alto e avante!

  6. Solda disse:

    Glerm:

    Sempre, sempre, e sempre.

    Aftosas soldações!

  7. Glerm Soares disse:

    http://www.revistazunai.com/materias_especiais/catatau/fragmento_catatau.htm
    “ergo sum, y a más, Ego sum Renatus Cartesius, acá perdido, aquí presente, en este laberinto de engaños deleitables veo el mar, veo la bahía y veo las naves. Veo más. Van ya III años me alejé de Europa y la gente civil, allí morituro. Eso de “barbarus — non intellegor ulli” de los ejercicios de exilio de Ovidio está conmigo. Desde el parque del príncipe, con lentes de telescopio, CONTEMPLO PARA APRECIAR EL MUELLE, EL MAR, LAS NUBES, LOS ENIGMAS Y LOS PRODIGIOS DE BRASILIA.’
    (…Traducción Román Antopolsky)
    El ave del Brasil es el papagayo porque repite palabras; el ave del Brasil es el papagayo que aunque paraguayo parece yugoslavo, ¡boguslav bubulcus! Al parecer más favorable, son ejercicios impracticables, la guerra de la polivalencia contra el universo, volviendo para dentro, ¡nadruguestrone! Legislaciones defraudadas disipan los números, engaños en el error de parecer obvios. Ese cateretê no es muy católico ni en las shafundas del Yudo, la conversa no compensa, el comparsa no confiesa:
    (…Traducción de Reynaldo Jiménez)
    http://www.revistazunai.com/materias_especiais/catatau/

Deixe uma resposta