Coisas das eleições

1.Ver candidatos sorrindo e felizes na propaganda eleitoral, como se tudo estivesse a mil maravilhas;

2. Sempre aparecerem em favelas, em obras, caminhando, com criancinhas no colo, e com um fundo musical;

3. Aparecerem, normalmente, com camisas azuis ou brancas, ternos escuros, com a cidade ou o trânsito de veículos ao fundo do cenário;

4. A lei eleitoral proibir o financiamento de campanhas por empresas e pelos bancos, mas admitir as doações dos empresários como pessoa física, o que dá na mesma;

5. A legislação permitir que os candidatos ricos autofinanciem as suas campanhas, favorecendo os afortunados e mantendo a desigualdade dos pleitos;

6. Os prefeitos e vereadores continuarem fazendo campanha no exercício do mandato sem se afastarem das suas funções;

7. Em toda campanha os candidatos falarem em vão despoluir os rios, preservar mananciais e as com propostas ambientais politicamente bacanas, mas os rios continuarem cada vez poluídos e fétidos e a natureza cada vez mais devastada;

8. Não divulgarem quais os benefícios e a remuneração e os deveres legais dos políticos, o que devem, podem ou não fazer;

9. Ver candidatos à reeleição aparecerem como novidade e os novos como tradicionais;

10. Assistir filhos, netos, sobrinhos e toda família se candidatar, sem divulgarem os seus graus de parentesco, mas se apresentando como novidade;

11. Não aparecer a legenda partidária de candidatos, pois isto no Brasil, na maior parte dos casos, pouco importa para o eleitor;

12. Ter que aguentar a propaganda eleitoral em horários aleatórios no rádio e na televisão, pois eles descobriram que no horário eleitoral todos desligam estes aparelhos;

13. Ouvir propostas vazias e genéricas que não comprometem ninguém e todos esquecem, rapidamente.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Claudio Henrique de Castro e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta