Comprou, mas não chegou, e agora?

As compras pela internet aumentaram sensivelmente durante a pandemia. A empresa argentina Mercado Livre é a maior da América Latina e vale cerca de 59,35 bilhões, na frente de bancos e mineradora. Nesta expansão do mercado eletrônico, caso o consumidor faça uma compra pela internet e não receba o produto, como deve proceder?

Se você não recebeu o produto, pode cancelar a compra por correio eletrônico junto ao site que lhe vendeu. Temos que considerar se há greve dos correios, por isto é importante o código de rastreamento do envio.

Primeiro, aconselhamos que as compras sejam feitas por meio de cartão de crédito para que o consumidor possa fazer a oposição do lançamento da compra, caso haja algum problema. Desconfie se houver desconto à vista por meio de boleto ou depósito em conta corrente.

Para a oposição, o consumidor deve seguir as regras da operadora do cartão de crédito que, normalmente, pedem que se faça um pedido para a empresa vendedora e receba uma resposta sobre o atraso ou problema que ocorreu, se isto não acontecer o consumidor pode exercer seu direito de desistência da compra, pelo não recebimento.

A oposição faz com que o lançamento no cartão de crédito seja estornado, em favor do consumidor. O consumidor deverá fazer um boletim de ocorrência eletrônico e uma reclamação, também eletrônica, em Procon para acompanhar o pedido de oposição do lançamento do cartão de crédito.

É importante que o consumidor anote os protocolos de atendimento e use programas no seu aparelho celular que gravem as conversas do atendimento, avisando este fato para o interlocutor, e guarde todas as trocas de mensagens eletrônicas.

Por cautela, o consumidor deve verificar os sites consumidor.gov.br e reclameaqui.com.br para saber a reputação da empresa se possui histórico consolidado de vendas eletrônicas. Desconfie de sites novos, sem histórico de vendas e com preços abaixo da concorrência.

O site de compras pode desaparecer e neste caso a oposição da compra junto a operadora do cartão de crédito é mais fácil ainda, pois estará caracterizado o golpe.

Pense dez vezes antes de adquirir um produto, pois o impulso para as compras também pode se tornar um vício e uma compulsão, que necessitem tratamento psicológico especializado. O ato de comprar é gratificante, o problema é que pode se tornar impagável e aniquilar com o orçamento doméstico do consumidor.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Claudio Henrique de Castro e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta