Deus é fiel

JOSÉ SARNEY resolveu os problemas do Brasil com seus fiscais do congelamento de preços e com o Plano do ministro Bresser Pereira. Fernando Collor trouxe o paraíso com o confisco de depósitos bancários e da poupança com seu Plano Collor, formulado por Zélia Cardoso de Mello – que ao deixar o ministério montou bufê de festas infantis.

A coisa andou bem no primeiro FHC e no primeiro Lula, mas logo veio Dilma Rousseff, que desmontou a economia com a contabilidade criativa e as improvisações desajeitadas, ela ministra de sua própria Fazenda. Temos agora Jair Bolsonaro e o Plano Paulo Guedes, que identificou a Previdência como pernicioso câncer cívico.

Não sei o que acontece nesse país, que sempre tem presidentes providenciais, iluminados e milagrosos, que nos salvaram da pobreza e do atraso, mas logo o Brasil desanda de novo. Esperemos que com Jair Bolsonaro seja diferente, pois com ele Deus é fiel e tudo pode aquele que tem Jesus ao lado.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Rogério Distéfano - O Insulto Diário e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta