Dilma renuncia e entrega o país para Lula

Munido de superpoderes semelhantes a quem tem um cheque em branco nas mãos, o ex-presidente Lula praticamente assume a presidência da República no lugar de Dilma Rousseff. Se motivos jurídicos-policiais não atrapalharem sua posse na chefia da Casa Civil, prevista para esta quinta-feira (17), o governo passa a ser dele e não mais da titular de direito.

Lula volta ao poder com planos bem definidos. A prioridade é salvar a própria pele. Ao alcançar foro privilegiado, conta com a lentidão da instância judiciária federal, inversamente proporcional à rapidez com que correm em Curitiba as investigações e processos da Lava Jato. Isto é, reduz-se o risco de Lula ter de embarcar num aviãozinho da Polícia Federal e vir sentar-se diante do juiz Sergio Moro.

A prioridade seguinte de Lula na Casa Civil é salvar Dilma e, indiretamente, a si mesmo outra vez. Caberá a ele garantir o quórum necessário na Câmara presidida por Eduardo Cunha para evitar a aprovação do impeachment. Neste caso, precisa agir rápido, pois o processo de impedimento, agora com rito já definido pelo Supremo, tende a se iniciar nos próximos dias ou semanas.

Em seus mandatos, Lula manteve sólida maioria no Congresso. Servia-se, para tanto, de meios heterodoxos, como o mensalão, que, por sinal, transferiu seu DNA para o petrolão. Com os financiadores condenados e presos em Curitiba ou carregando suas incômodas tornozeleiras, as cornucópias que abasteciam o sistema estão agora esgotadas.

O ex-presidente terá de se valer de outros métodos, dentre os quais sua reconhecida lábia e capacidade para fazer amigos e influenciar pessoas. Se saliva for suficiente não só para mudar o humor de deputados e senadores, mas também reconquistar as massas revoltadas é algo que precisará ainda ser provado muito brevemente.

A terceira prioridade de seu plano de governo é dar meia volta no ajuste fiscal que a presidente Dilma Rousseff tenta (e não consegue) fazer. Lula promete ressuscitar as velhas receitas que deram aparência de milagre aos tempos em que foi presidente, reduzindo a miséria com programas de transferência de renda, controlando a inflação mediante congelamento de preços e tarifas públicas, desonerando de impostos de alguns setores escolhidos etc.

Tais remédios, porém, todos sabem, é que se converteram nos venenos que levaram o país à bancarrota. Dependerá do comportamento de Dilma a este respeito – se se comportará como rainha ou como presidente. Na primeira hipótese, só faltará a ela dizer com sua peculiar linguagem: “eu tenho mesmo cara de quem me resigno”.

celso-nascimento

Celso Nascimento – Gazeta do Povo

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Dilma renuncia e entrega o país para Lula e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta