Dupla comemoração no Paiol

1|Maxixe Machine. Foto de Anderson Tozato. 2|Diogo e Walter Franco. Foto Divulgação

Esta semana tem comemoração de 40 anos de Paiol e quatro décadas de carreira do músico paulistano Walter Franco. A dupla celebração foi organizada pela banda Maxixe Machine que apresenta neste sábado, dia 5, às 21 horas, no Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº) o show “Maxixe convida Walter Franco e Diogo Franco“. O espetáculo comemorativo estabelece uma conexão musical entre a Curitiba e o compositor Walter Franco que fará uma retrospectiva de sua carreira, apresentando antigos sucessos como “Coração Tranquilo”, “Respire Fundo”, “Vela Aberta”, a polêmica “Cabeça” (apresentada no Festival Internacional da Canção de 1972) e, ainda, como presente para o público curitibano, duas canções inéditas que fez em parceria com Paulo Leminski, “Signo” e “Is not rock’n roll”.

Rodrigo Barros, vocalista e guitarrista da banda Maxixe Machine, conta que a ideia desse show surgiu ano passado quando resolveram participar do edital da Fundação Cultural de Curitiba e trazer para Curitiba um nome relevante da música brasileira. “Entre as várias possibilidades discutimos a importância de convidar um representante da geração de 70. O nome de Walter Franco foi uma unanimidade para esse projeto no Paiol que, por coincidência, tem quatro década de carreira, assim como o teatro”, revela.

Ferreira, também vocalista e violonista do Maxixe, diz que inicialmente houve a preocupação do público desconhecer “Quem é esse tal de Walter Franco?”. Mas a vontade de dividir o palco com o músico que causou uma das maiores polêmicas dos antigos festivais e foi elogiado por Astor Piazzolla, foi determinante e desfez qualquer hesitação. “Walter Franco vem acompanhado de seu filho Diogo Franco e promete um momento muito especial quando vai tocar duas parcerias inéditas que fez com o Leminski”. Durante a apresentação, Walter Franco vai conversar com o publico sobre suas experiências e a atualidade. Na ocasião ele vai mostrar que seu som e sua poesia continuam sendo instigantes e contemporâneos, prosseguindo viagem na sua busca de autoconhecimento, voltada para o anseio coletivo e trazendo para a música brasileira, a voz e o silêncio, a palavra e o murmúrio, o grito primal, a cabeça e o coração. O show também contará com a participação de seu filho Diogo Franco, que apresentará suas próprias composições.

Diogo Franco é cantor e compositor, criador de uma linguagem própria singular onde transita entre a simplicidade intimista da voz e violão e baladas sutilmente psicodélicas que culminam em puro rock’n’roll. A carreira de Diogo é marcada pela expressão de sua poesia e refinada criatividade.

A Maxixe Machine tem na sua formação Rodrigo Barros (voz e guitarra), Alberto Lins (baixo), Walmor Góes (violão solo e voz), Rodrigo Genaro (bateria e percussão) e Luiz Ferreira (cavaquinho, violão nylon e voz).

Walter Franco – Paulistano, cantor, compositor e ator, filho do poeta e político Cid Franco.Formou-se pela Escola de Arte Dramática e lá começou a carreira de músico, compondo trilhas para espetáculos teatrais como “O Contador de Fazendas”, dirigido por Dulcina de Moraes e “Os Olhos Vazados”, dirigido por Emílio de Biasi. Depois vieram os festivais: a primeira música de Walter Franco a participar de um festival foi “Não se Queima um Sonho”, defendida por Geraldo Vandré. Mas o momento que marcou a primeira fase da carreira de Walter Franco foi a apresentação da música “Cabeça”, de sua autoria, no Festival Internacional da Canção de 1972, de Rede Globo. Uma música totalmente fora dos padrões da época, baseada em vozes superpostas e repetições de fragmentos da letra, quase incompreensível.

A repercussão e a polêmica foram enormes. E a música foi vaiada durante todas as apresentações. O júri do festival, porém, gostou da avançada proposta estética de Walter Franco. Era formado por pessoas como Nara Leão, Roberto Freire, Rogério Duprat e Décio Pignatari. Às vésperas da final, a Globo, supostamente em decorrência de pressões da ditadura militar, demitiu sumariamente o júri, que, segundo Rogério Duprat, estava disposto a premiar a música de Walter com o primeiro lugar. A composição “Cabeça”  foi reconhecida por Astor Piazzolla com o  comentário – “Isso é uma revolução!”.

Serviço: Maxixe convida Walter Franco e Diogo Franco. Show com a banda paranaense e os músicos convidados. Sábado, 5 de maio, às 21 horas, no Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº). Ingressos R$20 e R$10 (meia entrada). Classificação etária: 12 anos. Duração 75 min. informações: (41)3213 1340.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Diogo e Walter Franco, Dupla comemoração no Paiol, maxixe machine, teatro paiol e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta