Ele

millôr-20De Aristófanes a Gregório de Matos, de Ian Neruda a João do Rio, de Karel Cäpek a Lima Barreto, de Robert Benchley a Antonio de Alcântara Machado, de Lewis Carrol a Monteiro Lobato, de Levine a Lan, de Joe Miller a Cornélio Pena, de Cervantes a Machado de Assis, de Will Rogers a Juó Bananere, de Daumier a Paulo e Chico Caruso, de Ogden Nash a Ascenso Ferreira, de Ionesco a João Bethencout, de Sholom Aleish a Leon Eliachar, dos do “Canard Enchainé” aos do “Pasquim”, de Ambrose Bierce a Agripino Grieco, de Petty a Péricles Maranhão, de André François a Cláudius, de Wilhelm Bush a Ziraldo, de Sterne a Fernando Veríssimo, de Popov a Piolim, de George Grosz a Loredano, de Ramón Gómes de La Serna a Don Rossé Cavaca, de Bocaccio a Oswald de Andrade, de Disney a Maurício de Souza, de Oski a Carlos Estevão, de Danny Kaye a Oscarito, de Zero Mostel a Jô Soares, de La Fontaine a Jésus Rocha, de Chaplin a Procópio, de Steinberg a Fortuna, de Edward Lear a Glauco Matoso, de Magrite a Juarez, de Bosh a Henfil, dos do “Lampoon” aos do “Chê”, de Jerry Lewis a Chico Anísio, de Grock a Olimecha, de Alfredo Jarry ao Jaguar, dos Irmãos Marx aos Trapalhões, de Damon Runyon a Sérgio Porto, de Fred Allen a Haroldo Barbosa, de Folon a Caulos, de Chamfort a Ivan Lessa, de Parke Cummings a Carlos Eduardo Novaes, de Crumb a If, de George McManus a Miguel Paiva, de Winsor McCay a Vasques, de Ring Lardner a Léo Jaime, de Chaval a Redi, de Eça a Jaab e a Fraga, Guidacci, Zélio, Hilde Weber, Adail, Reinaldo, Alcy, Mino, Borjalo, Cláudio Paiva, Lor, Miranda, Vilar, Santiago, Sílvio Abreu, Racsow, Hubert, Agner, Othelo Caçador, Bastos Tigre, Aldu, Dwayer, Nani, Mollica, Gê, Dirceu, Flávio Miliaccio, Demo, Canini, Moliére, Plautus, Mark Twain, Hummy Chummez, Peric.

E tantos outros, que foram chegando ou foram partindo, para os quais não faço comparações talvez por serem incomparáveis. Nilson, Albert Piauí, Mariza, Edgar Vasques, Nicolielo, Lapi, Redi, Mayrink, Hippertt, Liberati, Aliedo, Aroeira, Márcia Braga, Cavalcanti, Luscar, Angeli, Glauco, Adão, McAlicut ,Mariano, Ertha, Amorim, Cláudio Duarte, Cruz, Jota, Laylson, Clériston, Nildão, Hélio de La Peña, Mu Chebabi, Kassio, Cauh Gomes, Loredano, Quinho, Lelis, Laerte, Miran, Solda, Leonardo, Lula, Mario Valle, Dante, Fred, Fetter, Othelo Caçador, Carlos Eduardo Novaes, Aldyr Blanc, Tutty Vasques, José Simão, Alvim, Geandré, Willy, Marcelo, Mem de Sá, Michelle, Xalberto, Luiz Gê, Dálcio, Falcão, Cláudio Rodrigues, Planeta & António (Portugal), Cristina Sampaio (também), Vasco (idem), Ique, Baptistão, Ykenga, Sabat, Ralph Steadman, Art Spielgelman, Rubem Braga, Steve Martin, Roland Toppor, Trimano, Gerald Scarffe, Naranjo, Pancho, Plantu, Silverstein ,Vargas, Mordillo, Appe, Nássara, Carlos Estevão, Alceu Pena, Péricles Maranhão, Raul Solnado, Agildo Ribeiro, Zé de Vasconcelos, Juca Chaves, José Sarney, Itamar Franco, Fernando Henrique… melhor parar por aqui. A decadência está se acentuando.

Millôr Fernandes

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Ele e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

2 respostas a Ele

  1. RUI disse:

    Não entro em turma que me não me aceita como um dela. Werneck

  2. RUI disse:

    Ou, como diz a epígrafe do meu livro de frases: FIZ O MILLÔR QUE PUDE.

    Werneck

Deixe uma resposta