Espetáculo de grupo mineiro em cartaz no Cleon Jacques

pinball3O espetáculo “Máquina de Pinball”, encenado pela companhia “O Coletivo”, de Belo Horizonte (MG), tem apresentações gratuitas às 20h de sábado e domingo (27 e 28), no Teatro Cleon Jacques. A adaptação livre do texto da escritora gaúcha Clarah Averbuck, dirigida por Gil Esper, leva ao palco o retrato de uma geração que presenciou as mudanças comportamentais e os conflitos dos desejos particulares e coletivos, desde a década de 80. Foto Divulgação

Ganhadora do prêmio Funarte Miriam Muniz de Teatro 2007 e do Prêmio Procultura 2010, a montagem utiliza uma linguagem fragmentada, que evoca símbolos e imagens do cotidiano dos jovens, como litros de álcool, cigarros, beijos, vexames, músicas, paixões relâmpagos e o universo dos meios de diálogo pós-contemporâneo.

A história de Camila, uma jovem de vinte e poucos anos, escritora, viciada em anfetaminas e em baladas, aproxima a dramaturgia de conceitos existenciais e universais inerentes a todas as épocas. A partir de citações e referências aos textos de Álvaro de Campos, John Fante e Bukowski, os atores Priscilla D`Agostini, Rodrigo Fidelis e Isaque Ribeiro – que utilizam um jogo cênico sobre solidão, amor, relacionamentos e vícios – recriam uma perspectiva atual, conjugando, assim, a liquidez da era do videoclipe e da internet com os anseios das gerações anteriores.

As características dos textos de Clarah Averbuck mantêm-se no espetáculo. O humor, a ironia e o desprendimento para falar de temas complexos, como a solidão, o vício e as dificuldades de sobrevivência, reafirmam a ideia que deu título à peça. Se hoje se trata de uma raridade, a máquina de pinball, famosa nos anos 70 e 80, metaforiza a vida como um jogo de perdas e ganhos, não apenas doloroso, mas também como embate lúdico. “É um humor típico de quem cresceu nos anos 80, vendo muita televisão, lendo histórias em quadrinhos, escutando rock e suas derivações e percebendo que o mundo sério dá errado, na maioria das vezes. Mas, nesse caso, nos apoiamos em Caetano e pensamos que pode ser diferente”, analisa o diretor Gil Esper. Assim como nos textos de Averbuck, suspende-se o juízo de valor. O espectador é convidado a deixar uma postura passiva e permissiva e construir diversos sentidos, de acordo com a sua vivência.

Além da possibilidade de dramaturgia, “Máquina de Pinball” verbaliza as propostas de pesquisa de “O Coletivo”. Estéticas distintas de criação, com atores e equipe com formações e linhas diferentes, fortalecem uma linguagem híbrida. A referência imagética passa pelas mídias contemporâneas – como a Internet, a televisão, o blog e as animações – permeada pelo movimento, pela imagem e pelo som, ganhando equilíbrio.

Serviço: Espetáculo “Máquina de Pinball”, com a companhia mineira “O Coletivo”. Datas e horário: dias 27 e 28 de abril de 2013 (sábado e domingo), às 20h. Local: Teatro Cleon Jacques (Centro de Criatividade de Curitiba – Parque São Lourenço – Rua Mateus Leme, 4.700). Entrada franca.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Aftosas soldações, Bukovski, Clarah Averbuck, Don Suelda del Itararé, Espetáculo de grupo mineiro em cartaz no Cleon Jacques, Isaque Ribeiro, John Fante, Máquina de Pinball, nora drenalina, O Coletivo, Pleonasmos, Priscilla D'Agostini, prof. thimpor, Rodrigo Fidelis, Se não for divertido não tem graça, solda, Soldades, soruda, teatro, Teatro Cleon Jacques, The Aberbuck is on the table, tudo em geral e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta