O retrocesso que arrasa com a natureza e mata gente

© Reuters

Quando acontecem desastres ambientais, como o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, logo aparecem informações trazidas pela imprensa sobre estudos com a avaliação séria dos problemas que deram origem ao desastre e muitas vezes até com as medidas de prevenção que poderiam ter sido tomadas. Vivemos em um país em que se sabe praticamente tudo dos problemas, com diagnósticos e  o tratamento adequado para acabar com o sofrimento ou evitá-lo. O que falta mesmo é aplicar esse conhecimento, que teria de ser pela via política. Mas aí temos sempre os políticos atrapalhando.

No caso do rompimento da barragem da Vale apareceu agora uma informação que revela uma tremenda irresponsabilidade da classe política de Minas Gerais, seus administradores públicos e o conjunto da sociedade que tem poder político no estado.

Em julho do ano passado uma comissão da Assembleia Legislativa mineira rejeitou um parecer que criava novas restrições para barragens, além de determinar mais exigências às empresas. Seria obrigatória uma garantia de recuperação socioambiental. O parecer proibia também a construção de barragens onde há comunidades e novas licenças de alteamentos, quando o próprio rejeito é usado na ampliação dos empreendimentos.

O único voto a favor do parecer foi do deputado João Vitor Xavier (PSDB), relator e presidente da comissão. Ele foi rejeitado pelos deputados Gil Pereira (PP), Tadeu Martins Leite (MDB) e Thiago Cota (MDB). É até triste assistir a um vídeo postado no início da noite desta sexta-feira, no qual o relator do parecer faz uma impressionante previsão do desastre de hoje em Brumadinho. O deputado Xavier diz o seguinte: “Não estou dizendo que poderemos ter novas rupturas. Por tudo o que vi, eu não tenho dúvidas de que teremos rupturas de novas barragens no Estado de Minas Gerais, porque o modelo que utilizamos é obsoleto, é ultrapassado”.

Fiz uma rápida pesquisa para saber mais sobre o assunto e posto uma matéria do site G1 que resume bem a atitude irresponsável da Assembléia mineira. O parecer seria encaixado em um projeto criado pela Comissão Extraordinária das Barragens, formada após o desastre de Mariana em novembro de 2015, em que 19 pessoas morreram e várias comunidades foram destruídas pela lama da barragem da mineradora Samarco, de propriedade também da Vale. A verdade é que os políticos de Minas atuaram para desmotivar a movimentação social que poderia ter ido além até desse parecer, impondo rigor sobre as barragens e ampliando a força e o empenho da população para exigir mais segurança e respeito ao meio ambiente.

Seres humanos poderiam ter sido poupados de uma morte horrível. Não haveria a destruição do meio ambiente e o fim de comunidades inteiras. Mas infelizmente, como sempre houve a ação política do retrocesso, com o desmonte de regras e leis e o desestímulo para que a população não tome em suas mãos a defesa do bem comum.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em José Pires - Brasil Limpeza e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta