Joyce Vieira, a Pirralha

joycevieiraPor Júpiter, Airton Sampaio, eu tinha prometido à Renata Pitta nunca mais me apaixonar assim perdidamente, porém, de repente, não mais do que de repente, ao ir visitar o Solda na sala da coordenação do Salão de Humor, na Praça Pedro II, antes da ira do prefeito Silvio Mendes que mandou os seus paus mandados recolher e quebrar tudo do Salão de Humor do Piauí, num jogo de cena para ficar registrado na história, eu vi, confesso que vi, e meu coração ficou 7 de setembro ao ver a bela Joyce Vieira. Pronto, estou perdidamente apaixonado assim! Que Deus tenha piedade do meu coração! 11|7|2009

Kenard Kruel, que também fez a foto

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Joyce Vieira e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta