Livro reúne peças finalistas do concurso de dramaturgia do Guaíra

capatcp

Os cinco textos participaram do edital da Secretaria da Cultura que marca a reativação do Teatro de Comédia do Paraná 

O Núcleo de Edições da Secretaria de Estado da Cultura (SEEC) lança, no próximo dia 9 de julho, o livro Comédia Paranaense 2016 — Concurso de Dramaturgia do Teatro de Comédia do Paraná / 5 peças. Desdobramento da reativação do Teatro de Comédia do Paraná (TCP), o evento acontece no Hall do Auditório Salvador de Ferrante (Guairinha), às 19h30, com a presença dos autores. Às 20h30, acontece a encenação da peça O homem desconfortável, de Edson Bueno, com direção de Alexandre Reinecke, vencedora do Edital de Dramaturgia coordenado pelo Centro Cultural Teatro Guaíra. O livro custa R$ 20 e, posteriormente, será distribuído para todas as bibliotecas do Paraná e também para entidades culturais. 

Editada pelo selo Biblioteca Paraná, a coletânea traz, além da peça de Bueno, outros quatro textos selecionadas pelo júri do edital: Janaína, não seja boba, de Roberto Innocente, Dinâmica de grupo ou o rato, a vaca, o porco e a galinha, de Luan Maciel, Pensamentos a serem evitados no leito de morte de uma criança, de Lucas Komechen e Guerra de saias, de Domingos Pellegrini.

Para o secretário de Estado da Cultura do Paraná, João Luiz Fiani, o TCP é uma conquista dos artistas do Estado e sua volta, com a montagem de uma peça e com a publicação desta obra, dá visibilidade a novos e consagrados dramaturgos do Paraná.

Durante décadas, o TCP foi o grande incentivador do teatro no Paraná e responsável pela produção de ótimos espetáculos, revelando diretores e atores. Mais do que a valorização dos autores locais, esta publicação também deixa clara aos leitores a pluralidade de vozes da dramaturgia contemporânea paranaense”, afirma Fiani.

O crítico Valmir Santos, que escreve a orelha do livro e foi um dos jurados do Edital, segue na mesma linha de Fiani ao apontar a polifonia de vozes e linguagens apresentada pelos autores. “Publicar esta seleta constitui gesto político-cultural. A dramaturgia vem ressignificando seu lugar no panorama recente do país que divisa a hegemonia do encenador na construção do espetáculo, na década de 1990, e a ascensão do teatro de grupo nos anos 2000, evidenciada pela criação colaborativa. O texto, de fato, nunca foi tão polifônico no centro da cena.”

Vinte e quatro projetos foram inscritos no Edital e analisados pela comissão composta por Valmir Santos (jornalista e crítico), Marino Júnior (presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura — ICAC), Laura Chagas (professora da Universidade Estadual de Maringá — UEM), Paulo Braz (curador do Festival Internacional de Londrina — Filo), Rogério Pereira (diretor da Biblioteca Pública do Paraná) e Alexandre Reinecke (diretor de teatro)

História

O Teatro de Comédia do Paraná surgiu em 1963, com a finalidade de orientar e coordenar as atividades teatrais do Teatro Guaíra. O primeiro diretor do grupo foi Cláudio Correa e Castro, que montou Um elefante no caos, de Millôr Fernandes. No elenco estavam Paulo Goulart, Nicete Bruno, Lala Schneider, Sale Wolokita, Manuel Kobachuk, José Maria Santos e Joel de Oliveira.

O TCP atuou durante 11 anos consecutivos e chegou a produzir até cinco espetáculos em apenas um ano. Em 1974, o grupo inaugurou o auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão), com a peça Paraná, terra de todas as gentes, de Adherbal Fortes e direção de Maurício Távora. 

Também foram diretores do TCP Emilio Di Biasi (O Contestado), Oraci Gemba (O carrasco do sol), Ademar Guerra (Colônia Cecília), Volker Quandt e Joana Lopes (Vamos transar), Fátima Ortiz (O menino maluquinho), Lala Schneider (A sedução), Euclides Souza (A nuvem apaixonada), Celso Nunes (A vida de Galileu), Marcelo Marchioro (As bruxas de Salém), Edson Bueno (New York, por Will Eisner), Hugo Mengarelli (O incrível retorno do Cavaleiro Solitário), Flávio Stein (Barca de Venezia per Padova), Gabriel Villela (A aurora da minha vida), Felipe Hirsch (Os incendiários), Moacir Chaves (Memória) e Mariana Percovich (Medea material). Alguns desses diretores foram responsáveis por mais de uma montagem.

Serviço:  Lançamento do livro Comédia Paranaense 2016 — Concurso de Dramaturgia do Teatro de Comédia do Paraná / 5 peças. Dia 9 de julho, sábado, a partir das 19h30. Hall do Auditório Salvador de Ferrante (Guairinha) (Rua XV de Novembro, 971/ Curitiba/PR). O livro custa R$ 20 (a renda será revertida à Seção Infantil da BPP). Entrada franca. Mais informações: (41) 3221-4917. O homem desconfortável. Auditório Salvador de Ferrante (Guairinha). Às 20h30 Quinta a sábado às 20h30 / Domingos às 19h. Ingressos: R$20. Até 17 de julho. Mais informações: (41) 3304-7900 / 3304-7999

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Livro reúne peças finalistas do concurso de dramaturgia do Guaíra e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta