Luftal e bolo de rolo

O TRF1 CASSOU a liminar de juíza federal que suspendia a licitação de comida para o Supremo. Que os ministros queiram comer e beber do melhor é lá com eles. Conosco é outro assunto, do brasileiro comer mal, porca e parcamente. Em Brasília não é só o Supremo que se empanzina, Executivo, Legislativo e demais tribunais também. O Supremo dá de tudo para os ministros, além da comilança.

Eles têm plano de saúde integral e extensivo, passagem de avião, tudo para ajudar a qualidade do serviço. Mas faltou um item no edital da comida: a consultoria dos vigilantes do peso e o luftal. Porque aquilo de comer bolo de rolo no lanche da tarde, no intervalo das sessões, dá sono e diminui a produtividade. E provoca gases, cacófato intencional. Daí a recomendação do luftal, santo remédio para a peidorreira.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Rogério Distéfano - O Insulto Diário e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta