Mais que um crime

Rogério Distéfano – O Insulto Diário

A EXECUÇÃO DE MARIELLE FRANCO, a vereadora do Rio de Janeiro, evoca o episódio de 1804, na França, em que o cônsul Napoleão Bonaparte mandou um regimento clandestinamente ao ducado de Baden, na Alemanha, para sequestrar o duque de Enghien, da família Bourbon, destronada na Revolução Francesa. O futuro imperador temia que Enghien liderasse a restauração da dinastia – e frustrasse seu projeto pessoal de empalmar o trono.

O duque, jovem de 31 anos, não participava de movimento restaurador. Recém tinha casado e não exercia qualquer liderança, sequer controlava forças militares. Trazido à França, foi julgado no mesmo dia e fuzilado horas depois, na madrugada. O caso provocou comoção na Europa e ampliou o isolamento da França, já desgastada entre as casas reais devido a seu modelo republicano e ao morticínio do Terror.

Um dos auxiliares de Napoleão, o bispo Charles-Maurice de Talleyrand-Pèrigord, acabado estadista de perfil maquiavélico, fez o comentário que ficou na História sobre a execução do duque de Enghien: “Mais que um crime, foi um erro”. Como a execução de Marielle Franco, que mobilizou multidões raramente vistas no Brasil contemporâneo.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Rogério Distéfano - O Insulto Diário e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta