Memórias de Cesar

Apropriando-me do critério adotado pela Biblioteca Nacional, na cotação de livros, eu diria que Solo, a autobiografia de Cesar Camargo Mariano é “altamente recomendável”. Um livro denso, salpicado de boas histórias que deslizam por uma narrativa madura e um texto competente. Cesar Camargo é um pianista de mão cheia, já consagrado, que agora pode contar como tudo aconteceu. Aos 13 anos ganhou um piano do pai que teve um enfarto ao vê-lo tocar com desenvoltura logo no primeiro dia. A amizade que uniu a família ao jovem Johnny Alf também reservas boas lembranças. O casamento com Elis Regina, os filhos famosos e a vida nos EUA, onde está há muito tempo. O prefácio de Ignácio Loyola Brandão consegue dimensionar a importância do músico para a MPB. Um catatau de 480 páginas que sai editado pela LeYa ao preço de 54,90 reais. Toninho Vaz, do Itanhangá

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Memórias de Cesar e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta