Metamorfose (a partir de um Moebius)

Um homem. Enrugado, calvo, mão direita levantada. Seu polegar e indicador se tocam. Nesse instante, mão e olho explodem simultaneamente. Depois o braço, o lado direito do rosto, e logo após, o esquerdo. A massa pastosa de ambos (braço e rosto) mistura-se e cobre todo o corpo. O homem toma a forma de uma pasta. A pasta se transforma num rochedo. O líquido viscoso adquire consistência pétrea. Súbito, no topo do rochedo, um traço. O traço cresce até se tornar uma rachadura. A rocha, dura, então é uma casca. A casca de um grande ovo. O ovo se quebra e, do interior, minúsculo, surge ele. Um homem.

Antonio Cescatto

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Antonio Cescatto, Metamorfose (a partir de um Moebius) e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta