Nora Drenalina recomenda

pasquimMillôr Fernandes, em maio de 1973, celebrou o número 200 d’ O Pasquim dizendo que “só mesmo o denodo e o estoicismo de uma plêiade de jornalistas imbatíveis no cumprimento do seu dever seria capaz de atravessar tantos obstáculos”. Ironia do mestre à parte, eu acho que foi isso mesmo.O jornal foi um dos maiores fenômenos do mercado editorial brasileiro. Isso se deve em grande parte porque O Pasquim conseguiu aglutinar, em nome de uma guerra santa contra as trevas, quase todos os melhores jornalistas brasileiros da época – entre os quais Jaguar e Sérgio Augusto, responsáveis por esta antologia. O volume II desta saga jornalística vai de 1972 a 1973, em pleno governo do general Emílio Garrastazu Médici, quando a economia crescia em ritimo chinês de hoje, e a liberdade era abafada à bala, tortura e censura.

Foi um país sufocado pela repressão sem limites do AI-5 que surgiu O Pasquim, em junho de 1969. O hebdomadário, parta usar uma palavra tão ao gosto da patota de coleguinhas, foi como uma mosca da canção de Raul Seixas e Paulo Coelho, que pousou na sopa da ditadura, perturbou o seu sono e ficou a zumbizar.Mas a caserna não tolerou aquele zumbido. Tanto que os milicos prenderam quase toda a redação do jornal em novembro de 1970. O jornal continuou saindo graças a alguns intelectuais da pesada que ocuparam o espaço dos presos.O jornal foi revolucionário não só na crítica política ou de costumes.

Ele renovou a linguagem jornalística. Numa época em que o texto dos jornais era muito rebuscado, O Pasquim escrevia como se falava, num estilo pessoal, coloquial e safadinho até. Ou, como diz o Jaguar: “ele tirou o paletó e a gravata do jornalismo brasileiro”. Até o seu formato tablóide hoje está na moda e é apontado por especialistas da mídia como o futuro dos jornais. Por tudo isso, bem vindo ao melhor do humor em tempos de cólera.

Ancelmo Gois

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Nora Drenalina recomenda e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta