Veja-se!

Nuit # 1. Um filme de Anne Emond, 2011, Canadá, 1h31m. Clara e Nikolaï se encontram em uma rave. Eles vão para o apartamento de Nikolai e freneticamente fazem  amor. Depois, em vez da separação, os dois amantes revelam os segredos mais profundos para um outro.

Nicolaï é um solitário, um com grande ambição. Aos trinta e um anos de idade, ele leva uma vida simples e frugal. Costuma ler os grandes clássicos da literatura, mas nunca termina um livro que começou. Incapaz de se submeter a qualquer horário, ele se encontra incapacitado para o trabalho. Tem grandes projetos e  grandes ideias, mas, inevitavelmente, e apesar de si mesmo, as desperdiça antes que elas são realizadas.

Clara, como Nikolai, parece não ser feita para este mundo. Ela leva uma vida dupla. Durante o  dia, trabalha como professora de terceiro grau; à noite, ela é uma compulsiva e quer  exorcizar e esquecer suas esperanças. Sai toda noite, bêbada e drogada, combina alta tensão com desejos sexuais, ao mesmo tempo em que tenta desesperadamente preencher um vazio emocional.

São tentados a se animar por políticas de gênero comuns e divisionistas e, simultaneamente, têm medo de abraços, o atrito entre eles é superado por uma determinação comum para preencher a lacuna que eles percebem e que aflige mulheres e homens, de uma  geração sem esperança.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Veja-se! e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta