O difícil papel de Fernanda Richa no governo dos Barros

Ruth Bolognese – ContraPonto

Muitos são os integrantes do governo Beto Richa que permaneceram no período da família Barros. E ocupando cargos importantes, como secretarias, autarquias e chefias de departamentos.

Mas uma remanescente em especial, dona Fernanda Richa, vive dias atribulados, após a demissão sumária do braço direito de seu marido desde os tempos da prefeitura, o jornalista Deonilson Roldo. Como se sabe, Roldo ocupava a diretoria de Gestão Empresarial da Copel e mais 5 cargos em conselhos de empresas publicas paranaenses.

Flagrado numa gravação divulgada na última quinta-feira tentando interferir numa licitação de R$ 7 bilhões, supostamente para favorecer a mega empreiteira Odebrecht, passou o final de semana sem emprego, devidamente exonerado pela família Barros.

Sem Deonilson Roldo como representante-mor de Beto Richa na nova equipe, quem ocupa o lugar de pessoa mais próxima do ex-governador é, obviamente, sua mulher, secretária de Assuntos da Família, mesma função dos últimos 7 anos. Além de Ezequias Moreira, não esquecendo.

Apesar da discrição com que sempre se portou, dona Fernanda trabalha com uma equipe escolhida a dedo pelo deputado federal Ricardo Barros e sua mulher, a governadora-candidata Cida Borghetti. Ou seja, todos fielmente dedicados a ambos, de longa data.

Com o marido sendo investigado a mando do juiz Sérgio Moro, delações premiadas pipocando de todo o lado e contando detalhes dos malfeitos recém passados, a exemplo do diretor do DER , Nelson Leal Jr.,  a vida de dona Fernanda não está fácil. Só o futuro dirá por quanto tempo dona Fernanda ainda fará parte do governo da família Barros.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Ruth Bolognese - Contraponto e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta