O Senhor é meu pastor. Vamos pastar

© Myskiciewicz

No dia 12 de outubro de 1995, dia consagrado à Nossa Senhora Aparecida, o pastor Sérgio Von Helde, da Igreja Universal do Reino de Deus, chocou o país ao chutar uma imagem da padroeira do Brasil no programa “Despertar da fé”, na TV Record. Von Helde dizia que “era um erro o povo brasileiro depositar suas esperanças em santos, ídolos ou imagens, porque, segundo a Bíblia, tais ídolos não têm poder algum”. Em seguida, passou a dar chutes na imagem afirmando que se tratava de um “pedaço de gesso”.

A repercussão foi imensa. A cena foi retransmitida por outras emissoras, e líderes de várias religiões condenaram a atitude de Von Helde. Na época, o presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o ato. “O Brasil é um país democrático, conhecido pela tolerância religiosa, e sua força está exatamente na capacidade de convivência com a diversidade. Qualquer manifestação de intolerância fere esse espírito de convivência e, também, o espírito cristão”, afirmou.

Inicialmente, Von Helde teve o apoio da Igreja Universal, mas as manifestações contrárias, os ataques da população a templos da igreja e a abertura de um processo criminal por desrespeito a objeto de culto religioso levaram Edir Macedo, líder da Universal, a se desculpar com os católicos. Em pronunciamento de cinco minutos na Rede Record, falando do exterior por telefone e com uma fotografia exibida na tela, Macedo pediu desculpas aos católicos e censurou duramente a atitude do bispo Von Helde.

A repercussão negativa fez com que Sérgio Von Helde deixasse o país, levando-o a viver na África do Sul, no México, na Colômbia, na Venezuela e nos Estados Unidos. O pastor foi condenado em 1997 a dois anos e dois meses de prisão, por discriminação e vilipêndio à imagem. Foi a primeira condenação no Brasil por discriminação religiosa. Na época, ele morava nos Estados Unidos e recorreu da sentença, afirmando que não havia chutado a santa, apenas teria colocado o pé na imagem para provar que era de gesso.

Em 1999, o Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a sentença e condenou Von Helde a dois anos de prisão por incitação à discriminação e ao preconceito religioso. No entanto, concordou em suspender por dois anos a aplicação da pena e anulou a condenação por vilipêndio de imagem religiosa. Segundo os juízes, o prazo para a condenação por vilipêndio tinha acabado.

Durante o período no exterior, o pastor rompeu com a Igreja Universal e tornou-se membro da Igreja da Restauração, fundada nos EUA. Von Helde retornou em 2014, com a missão de ser o líder da nova igreja no Brasil. No mesmo ano lançou o livro “Um chute na idolatria”, no qual faz duras críticas à Igreja Católica e contesta dogmas como a existência do purgatório, a ideia de que todos são filhos de Deus, o descanso após a morte e a salvação dos hereges. O Globo

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo “Se não for divertido, não tem graça.” Contato: luizsolda@uol.com.br

Esta entrada foi publicada em O Senhor é meu pastor. Vamos pastar e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta