O Solar na Estação

Na Estação das Letras, sábado, fui recebido por Suzana Vargas (ela foi mediadora de vários debates na última Bienal do Livro), que suportou galhardamente a algaravia proporcionada pelo buquê de amigos que por lá apareceram. Um deles, o autor destas fotos, fotógrafo Chiquito Chaves, revelou ter trabalhado na empresa de engenharia de solo que destruiu o casarão e construiu as fundações da torre do RioSul, em 1972. A Vera Sastre, à direita na foto, era amiga do cartunista Vagn e frequentava a pensão. Por fim, no apagar das luzes, surgiu o pianista Leonardo Luz, ex-morador, atualmente em Barcelona. A conversa terminou no bar da esquina entre cervejas e reminiscências. Em Botafogo. Toninho Vaz, do Itanhangá

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em solar da fossa, tonhinho vaz e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta