Os Mortos

capa_torquato-ivan-cardosoRetícula sobre foto de Ivan Cardoso

Sob o pó, cemitério.
E, enterrados, os mortos reparam.
As flores – não o sentem
Se postas na laje
(geralmente branca)
da fôrma. Reparem o silêncio
e dançam sua estranha música
de mãos dadas.
Cantam em coro canções do outro tempo
e atravessam o muro
e riem do padeiro e sua cesta vazia
do pacato de bolso vazio
da tremenda que passa (vazia?)
na praça – vazia dos mortos.
(Durante o sol,
recolhem-se e comem terra).

Torquato Neto

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido, não tem graça." Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Os Mortos e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta