Os reis do gatilho

A FOTO vale por mil palavras. O deputado entra armado em hospital. A lei que libera o uso de armas não foi votada.

Um presidente que não se peja da foto. Um país que aceita tal pai como presidente, tal filho como deputado, tal família no poder.

Retrato da nova normalidade brasileira. A nova anormalidade é o beijo gay. Nunca antes na história desse país desceu-se tão baixo.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Rogério Distéfano - O Insulto Diário e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Uma resposta a Os reis do gatilho

  1. Solda disse:

    Tudo isso prova, sem dúvida nenhuma, que Millôr Fernandes estava certo. “O Brasil caminha vigorosamente em direção ao passado”

Deixe uma resposta