Playboy – Anos 1970

197008-Sharon-Clark1970|Sharon Clark. Playboy Centerfold

Publicado em Playboy anos 70 | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Perto demais

O CURITIBANO resiste em seguir as cautelas contra o coronavírus. Por exemplo, manter dois metros de distância do interlocutor. É perto demais, excessiva intimidade.

Publicado em Rogério Distéfano - O Insulto Diário | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Zé da Silva

Pendurado por ganchos e exposto no açougue da vida, quem não? Muitos, mas estes são privilegiados por não terem dúvidas, não terem alma, funcionarem como o sexo dos animais. Lavou, tá limpo? Vai ver que é isso mesmo e idiotas são os que procuram todo tipo de feridas de dentro e aquelas dos que conseguem expor em literatura, imagens, sons, para tentar a salvação – que não existe. A coronhada na boca do bêbado estuprador de criança. Dentes ao chão. Um cão sarnento lambendo o sangue que escorre para o líquido podre do esgoto. O que fede mais? Depois de tomar banho, o do poder assinou o decreto que vai transformar a vida dos anônimos numa escalada de terror mais violenta do que o da ‘Casa dos Mil Mortos’ – mas este é a apenas um filme. ‘Feios, sujos e malvados’ também. A menina débil mental grávida do próprio pai na favela de Roma, a dos palácios dos papas da igreja católica. Perdoai-os, pai, eles não sabem o que fazem… Alguém apontou o indicador na minha direção. Estou num açougue, lembram? Tiraram os ganchos, me embrulharam. Fui levado. Aos porcos, para ser devorado. Que felicidade!

Publicado em Roberto José da Silva - Blog do Zé Beto | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Panis et circenses

Publicado em Panis et circenses | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Com Deus à mesa do café

Um tema tem sido recorrente nas reuniões semanais dos velhinhos ex-Tribunal de Justiça no café do Vicente. Explico: o café não é do Vicente, mas, como ele é o concessionário da lanchonete Doce Fado e é uma honra ser atendido por ele, dizemos que não só o café, mas todo o espaço é dele.

Como eu dizia, antes da necessária explicação, um tema tem sido recorrente nas reuniões semanais dos velhinhos do Judiciário, no 3º andar do Shopping Pátio Batel: Deus. E o motivo é fácil de entender: todos já passaram ou estão próximos dos 70 anos de idade. E o futuro, que já não temos, causa-nos curiosidade. O que virá a seguir? Tudo? Ou nada?

O mistério nos comove e assanha o raciocínio. As opiniões se dividem, ainda que sejam apenas suposições. E não adianta fazer aquele pacto de que quem for primeiro dará um jeito de avisar como é. Pessoalmente, já fiz esse acordo com pelo menos meia dúzia de pessoas. E nenhuma delas deu, até agora, nenhum sinal.

Para Rubem Alves, que já havia se iludido e se desiludido com a religião, mas que era sábio e sabia dizer coisas bonitas, “Deus é um espelho no qual a imagem da gente aparece refletida com as cores da eternidade”. Mas, de igual modo, dizia que “acreditar em Deus não vale um tostão furado”. E isso com base no apóstolo Tiago, que deixou escrito em sua epístola sagrada: “Tu acreditas que há um Deus? Fazes muito bem. Os demônios também acreditam. E estremecem ao ouvir o seu nome” (Tiago, 2,19).

No entanto, valendo-se da ontologia de Riobaldo, de “Grande Sertão Veredas”, acha que Deus tem de existir, porque tem beleza demais no universo, e essa beleza não pode ser perdida: “E Deus é essa Vazio sem fim, gamela infinita, que pelo universo vai colhendo e ajuntando toda a beleza que há, garantindo que nada se perderá, dizendo que tudo o que se amou e se perdeu haverá de voltar, se repetirá de novo”. E Rubem Alves arremata: “Deus existe para tranquilizar a saudade”.

E ganha o apoio de Guimarães Rosa, ainda pela boca de Riobaldo: “Como não ter Deus? Com Deus existindo, tudo dá esperança: sempre um milagre é possível, o mundo se resolve”.

Sei que o saudoso Rubem acreditava em Deus, do jeito como acreditava nas cores do crepúsculo, do jeito como acreditava no perfume da murta, do jeito como acreditava na alegria da criança que brinca, do jeito como acreditava na beleza do olhar que lhe contemplava em silêncio. Para ele, tudo isso era um pedaço de Deus. Como, então, não acreditar Nele?

Sei, também, que estas considerações pouco servirão na sequência do debate no cafezinho do Vicente na próxima sexta-feira. Por isso, peço licença para reproduzir parte de outra crônica de Rubem Alves, em que um pai tem uma conversa teológica com o filho:

– Pai, por que é que nós vamos na igreja?

– Porque a igreja é a casa de Deus.

– Mas as igrejas são muitas. Qual delas é a casa de Deus? Ninguém pode morar em muitas casas ao mesmo tempo.

– Deus pode. Ele mora em todas as casas ao mesmo tempo.

– Ele mora inteiro em cada uma delas?

– Mora inteiro. Deus não tem pedaços.

– Se a igreja é a casa de Deus, quer dizer que fora na igreja Deus não mora?

– Não. Deus mora em todos os lugares.

– Também na lua e nas estrelas, nas montanhas e nos desertos?

– Sim. Também na lua, nas estrelas, nas montanhas e nos desertos.

– E na nossa casa? Deus mora lá também?

– Na nossa casa, Deus está sempre.

– Se Deus está sempre na nossa casa, na lua e nas estrelas e nas montanhas e nos desertos, então todo lugar é casa de Deus. Se todo lugar é a casa de Deus, por que é preciso ir à igreja para encontrar Deus?

– Na igreja Deus é mais poderoso.

– Então, há lugares em que Deus é mais poderoso e outros onde é menos poderoso?

– Sim.

– Eu pensava que Deus era forte sempre, igual, na lua, na rua, na igreja, na favela, nas prisões. Deus está também nas prisões?

– Deus está em todos os lugares. Também nas prisões.

– Se Deus é tão forte e pode fazer tudo o que deseja, por que ele não faz os maus ficarem bons?

– Isso eu não sei…

– Eu gostaria que Deus estivesse com a mesma força em todos os lugares. Ele não poderia ter evitado o tsunami, os furacões, os terremotos, a corrupção? Eu vejo, na televisão, homens corruptos rezando e fazendo peregrinações…

– Filho, eu estou com fome. Vamos comer um hambúrguer e tomar uma Coca-Cola?

Publicado em Célio Heitor Guimarães - Blog do Zé Beto | Com a tag | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Revista Ideias

Travessa dos Editores|#208|Fevereiro, 2019

Publicado em revista ideias | Com a tag , , , , | Comentários desativados em Revista Ideias
Compartilhe Facebook Twitter

Tchans!

© Jorge Bispo

Publicado em © Jorge Bispo | Com a tag , , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Na moldura

Julio Covello. © Bruno Covello

Publicado em na moldura | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Alberto Díaz Korda

Korda-Pedro-meyerLa Habana, 1928|Paris, 2001. © Pedro Meyer

Publicado em Alberto Díaz Korda | Com a tag , , , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Publicado em Grandes Tragédias Brasileiras | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Censura

José Maria Santos e Manoel Carlos Karam protestam contra a Censura, em frente ao Teatro da Classe, em algum lugar do passado. © Myskiciewicz

Publicado em Censura | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Ova-se!

entra-por-um-ouvido-e-não-sai-pelo-outroabsolut-RADIOCAOS2

Publicado em ova-se! | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Do limão, a limonada

O CORONAVÍRUS tem suas vantagens, permita-se o exagero. Como não visitar a sogra, grupo de risco. Evitar enterros, pra não contaminar o defunto. Economia em restaurante, comida ruim, alho em excesso e demora irritante. Deputados, vereadores e senadores voltam pra casa, onde continuam a vampirizar nosso sangue e nosso imposto (fazem até dormindo ou transando com a mulher do colega de bancada). Jair Bolsonaro veste máscara, assim não contamina mais gente. Dá pena dos trabalhadores, sacrificados. E das trabalhadoras e dos trabalhadores do sexo, porque não existe camisinha para o bafo e para o suor.

Publicado em Rogério Distéfano - O Insulto Diário | Com a tag , | Comentários desativados em Do limão, a limonada
Compartilhe Facebook Twitter

A true mirror. © IShotMyself

Publicado em Desbunde! | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Todo dia é dia

desamores© Lucília Guimarães

Publicado em Todo dia é dia | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter