Well…

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Quem é que toma essas cachaças?

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Foto de Mohamed Azakir, Reuters.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Paixão – Gazeta do Povo.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Bah!

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Musa

Jane Birkin – Década de 60.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Ele apavora!

Benett – Gazeta do Povo.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Curitiba Literária

Bárbara Kirchner – Língua Madura.
Foto de Renata Mele.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Tudo pelos pêlos!

Foto sem crédito.
Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Curitiba skyline 1

Foto de Tânia Buchmann.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Uebas.

Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Curitiba skyline 2

Foto de Tânia Buchmann.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Charge de Fernandes, o moço de Avaré.
Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Curitiba skyline 3

Foto de Tânia Buchmann.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Solda – O Estado do Paraná.
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Ouiés.

Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Foto sem crédito.

Nos últimos seis meses, gastou-se com o Cartão de Crédito Corporativo do Palácio do Planalto a soma de R$ 53.449 reais para a compra de produtos de embelezamento. Os gastos no Visanet Banco do Brasil da Primeira-dama Marisa Letícia incluem a compra de Botox, cujas injeções são usadas para “apagar os efeitos do tempo”. O cartão oficial também serviu para adquirir cremes importados do Leste Europeu, além de cosméticos norte-americanos e franceses. O caso pode ficar feio para o chefão Lula da Silva se vier à tona tal informação que circula nos bastidores do Senado. Mas tudo indica que a informação será abafada oficialmente – como de costume.
Publicado em Sem categoria | 1 comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Cruelritiba, pelo buraco

Foto de Lina Faria.
Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Musa de uma geração (2)

Certas personagens não cabem num só capítulo de uma memória de vida. É o caso de Laís Mann. A Vênus do Show do Jornal merece muito mais. Por limitações de espaço, não nos foi possível contar outros relatos de sua rica biografia, revelados em quase quatros horas de conversa na mesa de um bar.

Laís Mann é uma doce “Bala Zequinha”, fazendo um comparativo recorrente na nossa linguagem leitE quentE: começou como modelo aos 16 anos; se tornou jornalista famosa ainda menor de idade (uma garota de 17 anos falando de assuntos que só interessavam aos homens de 50); se viu figurante do filme Um uísque antes… um cigarro depois, do diretor Flávio Tambellini (tinha 18 anos e nunca assistiu ao episódio baseado num conto de Dalton Trevisan, filmado em Curitiba); se ouviu radialista de um prestigiado programa matutino na Rádio Independência (no horário que em seguida daria início à carreira de Luiz Carlos Martins); se descobriu atriz e cantora no Teatro do Paiol (quando convidada para tomar parte do elenco da peça Cidade sem Portas, de Adherbal Fortes de Sá Júnior e Paulo Vítola).

***

Um dos capítulos da biografia da Vênus do Show de Jornal que não pode ser esquecido é aquele em que encontramos Laís Mann em Brasília, nomeada funcionária do Senado Federal. Ou seja, “Bala Zequinha barnabé”. Depois de se separar de José Campos Hidalgo (empresário da indústria química, de tradicional família curitibana), Laís se reaproximou de um antigo namorado das tardes dançantes da Sociedade Água Verde, e foi morar com o jornalista Luís Arthur Saraiva na capital federal.

Em Brasília, foi contratada para trabalhar no gabinete do então senador paranaense Enéas Faria, no período de 1983 a 1987. Dividindo uma sala com o falecido senador, Laís Mann conheceu o “puder”. Sombras e mazelas, subterrâneos e labirintos, o outro lado da moeda que é usada no câmbio negro do tráfico de decisões políticas. No olho do furacão de um Brasil sendo redemocratizado, mesmo assim recebeu de propostas tudo o que se possa imaginar. Inclusive em dólares.

Desse período pouco merece ser lembrado, muito pode um dia ainda ser contado. Dos bons momentos,
um deles Laís guarda para contar aos netos.

Enéas Faria, 1.º secretário do Senado, tinha no gabinete um telefone vermelho que não podia, sob hipótese alguma, ser atendido pelos funcionários. Certo dia bateu aquele telefone e a desavisada Laís Mann atendeu de pronto. O que se seguiu foi um simpático e agradável diálogo, com as devidas apresentações: era José Sarney, o presidente da República.

No outro dia, Enéas Faria chamou a funcionária para uma conversa particular:

— Laís, você me criou um problema!

— Qual problema, senador?

— Acabei de falar com o presidente Sarney e ele me fez um pedido: só quer ser atendido ao telefone vermelho por você, e por mais ninguém.

***

Em 1988, a musa de uma geração foi candidata a vereadora em Curitiba. Com 1.300 votos, perdeu para uma Laís com muito mais “café no bule”: Laís Peretti. Nas eleições municipais deste ano, Laís Mann foi convidada para ser outra vez candidata a vereadora.

Por ora, aceitou. Se José Sarney quiser ser cabo eleitoral, tanto melhor: a musa não rejeita apoio dos fãs.

Dante Mendonça [12/02/2008] O Estado do Paraná.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter