Visão – Política é para pessoas de visão. O patrimônio de Lula cresceu dez vezes desde 2006, período em que vive de duas aposentadorias, a de invalidez, do INSS, e a de muito válido de ex-presidente. O meu patrimônio reduziu pela metade desde 2006. Deve ser porque só enxergo de um olho.

Coerência – O general Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro, tenta limpar a pecha de racista e se cadastra como indígena no TSE. Para ficar de bom tamanho, o cabeça de chapa devia por no seu cadastro: homoafetivo. É tudo mentira mesmo na política.

Amador, amante – Entrevistada no Glamurama, uol, Patrícia Pillar abre o voto para Ciro Gomes, com quem foi casada 12 anos: “o momento não é para amadores”. Vindo de Patrícia, que ainda o admira, prova que Ciro não é amador. Está mais para grande amante.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Rogério Distéfano - O Insulto Diário e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta