“Pinheiro do Paraná” para Bolsonaro: tudo pelo futuro

Numa rara ocasião na história, a maior homenagem dos paranaenses a personalidades que, em suas áreas de atuação tenham contribuído para o desenvolvimento do estado, será concedida em perspectiva do que pode vir por aí.

Trata-se da decisão da governadora Cida Borghetti, PP, em conceder ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, a Ordem Estadual do Pinheiro, a ser entregue no dia 19 de Dezembro, data em que se comemora a Emancipação Política do Paraná.

Ao que se saiba, a contribuição ao desenvolvimento do nosso estado pelo capitão, em 30 anos de vida pública, foi levantar a bola do delegado Francischini, do PSL, deputado estadual com a maior votação já registrada. Mesmo em baixa junto ao novo presidente, Francischini é líder de 8 deputados na Assembleia e seu filho, Felipe, se elegeu para a Câmara Federal.

Atualmente, Francischini já não desfruta da intimidade presidencial, vamos dizer assim. Ou com a mesma desenvoltura de pouco tempo atrás.

O que leva à conclusão que a “Ordem do Pinheiro” foi concedida a Jair Bolsonaro em perspectiva. Na base do “não pergunte o que Bolsonaro já fez, mas o que pode fazer pelo Paraná”.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Ruth Bolognese - Contraponto e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta