Sessão da meia-noite no Bacacheri

A atriz Nina Hoss vem de uma família liberal. Seu pai, Willi Hoss é sindicalista e político (membro do Bundestag pelo Partido Verde). Sua mãe, Heidemarie Rohweder, foi atriz do Staatstheater Stuttgart e mais tarde diretora do Württembergischen Landesbühne Esslingen. Em 2006, Nina estrelou o personagem título do filme Yella, dirigido por Christian Petzold. Por este papel, foi premiada com o Urso de Prata de Melhor Atriz na edição de 2007 do Festival de Berlim.

Yella, de Christian Petzold (Alemanha, 2007). Do argentino O Método ao hollywoodiano O Diabo Veste Prada, passando pelo francês O Corte, o cinema contemporâneo parece estar se interessando cada vez mais pelo mundo dos negócios e das grandes corporações. Por mais diferente que sejam tais retratos, uma característica acaba os aproximando: em todos os filmes citados, quanto mais os personagens se imbricam e mergulham nesse meio, mais eles vão perdendo sua alma e sua humanidade. O que esses filmes parecem querer nos dizer é que, para ser bem sucedido no mundo dos negócios, é necessário deixar de lado sentimentos nobres como compaixão, humildade e carinho.

Yella não é uma exceção em seu retrato de uma jovem alemã que busca uma virada em sua carreira após o fim de um relacionamento conturbado. Yella, a personagem título, deixa o ex-marido e seu pai para trás em busca de um emprego no Oeste da Alemanha (e essa migração da personagem da ex-Alemanha Ocidental para o lado Oriental do país não deixa de trazer uma conotação política ao filme). Ao descobrir que o emprego que lhe havia sido prometido na realidade não existe, Yella acaba encontrando refugio em Philipp, um executivo especializado em negociar empréstimos de alto risco.

Philipp acolhe Yella como sua assistente, ensinando-a os macetes das negociações (em um dos poucos momentos de alívio cômico neste filme bastante tenso) e como chegar ao ponto fraco do cliente para tirar vantagem da situação. Quanto mais envolvida com os negócios e com Philipp, mais Yella vai se profissionalizando e, conseqüentemente, se desumanizando.

O cotidiano desses personagens, conforme retratado por Christian Petzold, é composto basicamente por escritórios, quartos de hotel e longas viagens de carro. Um universo impessoal e puramente funcional, onde tudo é construído em torno dos negócios. Mesmo as relações pessoais são pautadas como numa negociação, com frases calculadas e muita linguagem corporal. Mas há também um outro lado nessa história, algo estranho no ar, que está sempre presente graças ao bom uso da trilha sonora e à atuação de Nina Hoss, sempre meio ausente e deslocada da situação onde se encontra. Sabemos que há algo mais, mas não sabemos exatamente o que, o que aumenta a tensão ao longo da projeção e transforma o que seria um filme sobre o universo corporativo numa espécie de suspense inexplicável.

Ao final, descobrimos que Yella é construído sobre um artifício, uma informação omitida ao espectador. Entretanto, diferentemente de tantos outros filmes que se utilizam de expedientes semelhantes, Petzold consegue sustentar seu filme para além e apesar deste artifício, graças à sua direção econômica, mas precisa, à excelente fotografia e à marcante atuação de Nina Hoss. Dessa forma, a virada final do roteiro acaba sendo quase que uma concessão supérflua a este filme bastante intrigante.  Revista Cinética

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Sessão da meia-noite no Bacacheri e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta