Soy loco por Teresina!

salaoO Salão de Humor do Piauí começou como brincadeira de intelectuais de uma bela e verde cidade provinciana. Sim. Teresina era bela, verde e provinciana e ainda tinha prédios antigos que, por falta de vigilância e zelo das autoridades, deram lugar aos atuais estacionamentos de automóveis. Éramos todos felizes boêmios e fazíamos isso caminhando de um bar para outro, pois os bandidos daquela época não matavam por um par de tênis ou um mísero aparelho celular. Foi em um clima assim que surgiu o Salão de Humor do Piauí.

Era simples, pequeno, cabia todo em uma salinha. Por isso mesmo, não precisávamos de muito dinheiro para fazê-lo. Então tudo era só alegria. Na foto, a Comissão Organizadora de um desses anos em que me falha a memória: José Elias Arêa Leão, Wiliam Melo Soares, Albert Piauí, Kenard Kruel e Arnaldo Albuquerque. Entre mortos e feridos, todos escapamos com vida. Albert Piauí

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em piauí, Salão de Humor do Piauí, Sem categoria, soy loco por teresina, teresina e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta