Tempo

nicolaudois

Escritores pedem a volta de jornal literário no PR

Um grupo de 30 escritores, liderado pelo poeta paranaense Silas Corrêa Leite, está tentando reavivar a edição do jornal literário “Nicolau”, mantido por 10 anos pela Secretaria da Cultura do Estado do Paraná.

De distribuição gratuita, o jornal publicava contos e poesias de escritores de todo o Brasil. Sua última edição foi lançada em maio de 97. A causa do fim do jornal, segundo a secretaria, foi a falta de dinheiro.

Há duas semanas, Leite redigiu um manifesto com o título “Governo do Paraná Mata o Jornal “Nicolau”’ e o enviou a cerca de cem escritores de todo o país. Desde então, recebeu a adesão de 30 colegas, por meio de cartas ou telefonemas.

Regina Benitez, a última editora do “Nicolau”, afirma que o principal gasto da secretaria com o jornal era com o envio dos exemplares pelo correio. Ela editou os últimos cinco exemplares do “Nicolau”, com uma periodicidade semestral.

Nem sempre o “Nicolau” foi semestral. Criado em 1987 por um grupo que incluía o editor Wilson Bueno, chegou a sair mensalmente.

Agência Folha 16/09/98

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em tempo e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta