Todo dia é dia

antena_da_roça2

 Devagar se vai ao longe
Mas não se encontra lugar.
Corro atrás do prejuízo
E sou sempre o último a chegar.
 
Solda 

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em "Trovinha" para um acadêmico de Curitiba, Aftosas soldações, alceu dispor, antena da roça, Don Suelda del Itararé, Fora Rogério Pereira, nora drenalina, Pleonasmos, prof. thimpor, Rasgando Merda e Comendo Dinheiro, Sempre a mesma merda, solda, Solda liberdade, Soldades, Soldatti, soruda, Sou da mamãe, Souda, Todo dia é dia, tudo em geral e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta