Na moldura

Toni Lopes – 1953|2003 – atuava no teatro desde os 15 anos. No cinema participou dos curta-metragens Aurora (1986) e Dov’e Meneghetti? (1989), porém ficou nacionalmente conhecido como o gordo barbudo e bonachão do extinto banco Bamerindus.

Indicado pelo diretor Andrés Bukowinski, que o conheceu como figurante de um comercial da Mesbla, Toni se tornou garoto-propaganda do banco em 1987 divulgando a “Conta Remunerada”, um produto considerado inovador na época. A partir daí apareceu em mais de 70 comerciais da marca, sempre terminando as propagandas com o bordão “…esse Bamerindus”.

Com o fim do Bamerindus, incorporado pelo HSBC em 1997, a imagem de Toni permaneceu tão associada a um bom relacionamento cliente-bancário que foi contratado para as campanhas do Banco do Brasil, função que exerceu até 1998. Faleceu em 2003, aos 50 anos, praticamente esquecido pela mídia.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em na moldura e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta