Travessa dos Editores publica coletânea da jovem literatura paranaense

livrodosnovos_capa_rgbconvite---livro-dos-novosLivro dos novos, que reúne 16 contos de jovens autores radicados no Estado, será lançado dia 12 de dezembro, às 19h, na Livraria da Vila do Pátio Batel.

 Com a proposta de espiar o futuro, a Travessa dos Editores lança neste mês de dezembro o Livro dos novos, coletânea de contos que reúne 16 jovens autores radicados no Paraná. “As reflexões de uma geração que se apresenta para conduzir o mundo a partir dessas horas que vivemos constituem o carro-chefe da coletânea”, explica a organizadora e também escritora, Adriana Sydor. “É uma maneira de quase adivinharmos os novos rumos”, afirma.

A seleção abarca escritores entre 20 e 30 anos, que enviaram seus textos para a editora durante o último ano. Mais da metade é formada ou trabalha na área de comunicação, como jornalismo e publicidade. “Não foi tarefa fácil, pois há mais escritores prontos, maduros, preparados para entrar no mercado do que esperávamos inicialmente. Os escolhidos, na verdade, representam um número muito maior de jovens que têm preocupação e possibilidades com a escrita e a comunicação”, conta Adriana.

Para a organizadora, todas as ficções reunidas no livro levam à reflexão, em algum ponto, sobre as misérias humanas, as derrocadas morais e as dificuldades cotidianas. Elementos observados, por exemplo, em Hominho, conto de Yuri Al’Hanati, 27 anos, que explora uma brutal cadeia de acontecimentos ocorridos numa fazenda e iniciadas com o assassinato de um cavalo, numa prosa que encontra seu ritmo na fala do homem do campo, seca e precisa.

 A relação de dominação, admiração e medo entre homem e natureza é, segundo o autor, um dos principais aspectos do texto. “O homem do campo, ao menos o descrito no conto, se sente ligado mais ao campo do que às pessoas, razão pela qual um cavalo ou outro animal de apreço constitui uma de suas poucas alegrias. Seu parente, deficiente mental, sobrevive graças às regras de civilidade e preservação da espécie desenvolvidas em sociedade, algo inexistente no reino animal”, explica o autor. “O homem, por mais que queira se sentir primitivo, bruto e natural, não abandona a herança social que o tempo lhe imputou”, completa.

Conectados com o presente

“Em graus diversos, todos os autores da antologia estão sintonizados com o momento presente”, escreve Luiz Bras no prefácio do Livro dos novos. O autor de Sozinho no deserto extremo e Paraíso líquido, entre outros, declara que este foi o prefácio mais transgressor e provocativo que já escreveu. “De certo modo, ele é um antiprefácio. Na tentativa de salvar algumas almas jovens do inferno da boçalidade, preferi oferecer um prefácio-manifesto, em vez de um prefácio chapa-branca, pasteurizado”, afirma Bras, que invoca em seu texto o futuro pós-humano que se aproxima de maneira inexorável, com a revolução das novas tecnologias.

“Quando essa revolução estiver alcançando o ponto máximo, no final deste século, tudo indica que a literatura já terá sido encostada, feito um gadget sem bateria”, profetiza o escritor, que clama por uma literatura de guerrilha a fim de manter viva a chama da ficção no formato livro. “Vocês são os novos guerrilheiros da irrealidade cotidiana, as narrativas aqui reunidas atestam isso. Já sabem denunciar, com raiva ou afeto, os males individuais e sociais, os muitos níveis da estupidez humana”, aponta.

A questão de gênero inspirou o pernambucano Arthur Tertuliano, de 26 anos, que reside em Curitiba há oito anos. Na sensível narrativa intitulada Guarda-roupas, ele aborda o relacionamento de uma filha (ou seria filho?) com seu pai viúvo. “Quando resolvi escrevê-lo, quis enfiar nele um monte de tipos de histórias que me interessam: as de amor, as infantis, as de ficção especulativa, as sobre relações familiares. A questão de gênero veio de uma inspiração muito clara: o Laerte [Coutinho, quadrinista]. Não à toa foi a ele que dediquei o conto”, explica Tertuliano, interessado na não-limitação do olhar do escritor como catalisador de sua ficção.

Ao narrar a trajetória de um cantor de bar, Marco Antonio Santos, de 24 anos, discute no conto Era aspectos como a memória e o fracasso. “Acho engraçado o apego do personagem ao passado. Sempre pensei no fenômeno dos bares de videoquê em Curitiba, especialmente nos anos 2000, e nas pessoas que faziam sucesso naquele contexto, e sobre como elas seriam em outros ambientes”, diz Santos. O sucesso na carreira de cantor de fim de semana do protagonista contrasta, por sua vez, com a desagregação de sua família e a infelicidade profissional dos dias de semana. “Me interessava essa alienação, o deslocamento do sujeito em relação à vida cotidiana”, expõe o jovem autor, que participa pela primeira vez de uma coletânea. “Talvez novas vozes tragam novas perspectivas, outras leituras, outras visões e ideias”, comenta ele.

Reflexão em primeiro lugar

A publicação de Livro dos novos reforça a preocupação da Travessa dos Editores com a boa literatura produzida em nosso Estado. Criada em 1994, a editora é conhecida pelo cuidado com o projeto gráfico, aliado ao catálogo que preza a reflexão crítica. A edição comentada e ilustrada do clássico Catatau, de Paulo Leminski, lançada em 2004 e hoje esgotada, é apenas um dos exemplares da linha editorial da casa, que já publicou importantes nomes da nossa ficção, como Jamil Snege, Wilson Bueno e Marcio Renato dos Santos.

“Mais que a preocupação com o mercado, mais que o objetivo de vendas, mais que ocupar lugar de destaque nas livrarias, a editora pensa em devolver ao mundo o que faz parte dele de maneira livre e plena”, afirma Adriana Sydor. “Reconhecer a importância de quem começa agora a desenhar a literatura do Estado, do País e do mundo faz parte desse conceito”, declara a organizadora da coletânea.

Serviço: Lançamento – Livro dos Novos|Data: 12 de dezembro|Horário: 19h|Local: Livraria da Vila – Pátio Batel (Avenida do Batel, n° 1868)|Mais informações: (41) 3079-9997

Os autores

Ana Figueiredo tem 20 anos. Nasceu em Curitiba (PR), em 1992. Dona de tatuagens e ideias malucas, escrevia poesia no colégio e achou que poderia ser escritora, fora isso passa a maior parte do tempo tentando ser médica veterinária e salvar guepardos.

Arthur Tertuliano tem 26 anos. Nasceu em Recife (PE), em 1987, mas vive em Curitiba (PR). É bacharel em Direito e mestrando em Estudos Literários, ambos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). É escritor, colaborador do Jornal Rascunho, colunista do site Posfácio e editor do blog o leitor comum.

Celso Alves tem 24 anos. Nasceu em Ponta Grossa (PR), em 1988. Em 2007, mudou-se para Curitiba (PR) para cursar publicidade. Além de trabalhar como redator publicitário, publica contos e crônicas em www.meulapisquebrou.com.br.

Cristiano Luiz Castilho tem 29 anos. Nasceu em Curitiba (PR), no verão de 1984. É graduado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário (ABJL). Trabalha na Gazeta do Povo desde 2008, e desde sempre usa a escrita como principal linguagem para compreender o mundo em que vive.

Daniel Zanella tem 28 anos. É cronista e jornalista, formado pela Universidade Positivo (UP). Nasceu em Curitiba (PR), em 1985, e é radicado em Araucária (PR) há quase vinte anos. Integrou diversas coletâneas por editoras independentes e é editor do jornal RelevO, impresso mensal de literatura, há três anos. Mantém o blog Cenas Urbanas no portal da Gazeta do Povo: www.gazetadopovo.com.br/blogs/cenas-urbanas.

Dédallo Neves tem 20 anos, nasceu e mora em Curitiba, é estudante de História da PUCPR, estudou um ano em Portugal na Universidade do Porto, trabalhou na Rádio Educativa.  Planeja voltar à Europa para fazer mestrado em Estudos Medievais. Atualmente desenvolve uma pesquisa sobre o samba carioca, além de publicar textos, crônicas, contos e poemas no seu blog Dentro da Baleia.

Felipe Franco Munhoz tem 23 anos. Nasceu em São Paulo (SP), em 1990. É graduado em Comunicação Social pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Em 2010, recebeu uma Bolsa Funarte de Criação Literária para escrever — em tempo integral — o romance Mentiras, inspirado na obra de Philip Roth. Vive em São Paulo (SP).

Felipe Kryminice tem 23 anos. Nasceu em Paranaguá (PR), em 1990. Vive em Curitiba (PR) desde o seu quarto dia de vida. Formado em Comunicação Social pela Universidade Positivo (UP), trabalhou nas redações do Jornal Cândido e da Revista Ideias.

Francine Porfirio tem 25 anos. Nasceu em Curitiba (PR) e é psicóloga, especialista em psicologia clínica, consultora educacional e assessora editorial. É contista, com participação em antologias, e seu primeiro romance será publicado pela Editora Alcantis em 2014.

Guylherme Custódio tem 26 anos. Nascido em Curitiba (PR), em 1987, mora no bairro São Braz. É graduado em jornalismo pela Universidade Positivo (UP) e atualmente cursa Letras na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Desde 2008 publica seus contos e crônicas no blog “Di-Vagá” (www.di-vag.blogspot.com).

Marco Antonio Santos tem 24 anos. Filho de pais sergipanos, nasceu em Curitiba (PR), em 1989. Estudou Comunicação e trabalha na área. Escreve no blog www.obscenidadedigital.wordpress.com com amigos.

Mellissa R. Pitta tem 21 anos. Nasceu em Curitiba (PR), em 1992. Contista e jornalista, escreve para as revistas Negócios Públicos, O Pregoeiro e SJPMais. Seus contos são publicados mensalmente no blog cultural Estranho ao meu modo.

Renan Machado tem 20 anos. Nasceu em Ponta Grossa, cidade do interior do Paraná, em 1993. Atualmente, cursa jornalismo na PUCPR. Publicou Helena, pela Tulipas Negras Editora, e A morte paga passagem, na sessão “Em busca de Curitiba”, do Jornal Cândido, editado pela Biblioteca Pública do Paraná. Vive em Curitiba desde 1998.

Rodrigo Araujo tem 30 anos. Nasceu em Colombo (PR), em 1983. Atua como historiador e escritor. Publicou A brisa é você (2009), coletânea de contos com outros escritores, pela editora Araucária Cultural.

Walter Bach tem 25 anos. Nasceu em Canoinhas (SC). É jornalista e mora em Curitiba (PR) desde 1988, ano em que nasceu. Publica crônicas e reportagens no blog Ecos Letrados.

Yuri Al’Hanati tem 27 anos. Nasceu em Praia Brava, distrito do município de Angra dos Reis (RJ), em 1986, e reside em Curitiba (PR) desde 2004. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), trabalha como repórter no jornal Gazeta do Povo, na área de política. Publicou o conto Meu Alvo na revista Arte e Letra: Estórias U e Final de Jogo na revista Jandique nº 3.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Adriana Sydor, Ana Figueiredo, Arthur Tertuliano, Celso Alves, Cristiano Castilho, Daniel Zanella, Dédallo Neves, Felipe Franco Munhoz, Felipe Kryminice, Francine Porfirio, Guilherme Custódio, Livro Dos Novos, Marco Antonio Santos, Melissa R. Pitta, Renan Machado, Rodrigo Araújo, Travessa dos Editores, Walter Bach, Yuri Al'Hanati e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta