Uma aposta no conto

Tulipas Negras publica mais quatro autores e o lançamento acontece no dia 26 de junho no Museu Guido Viaro em Curitiba

A Tulipas Negras dá o seu segundo passo e lança mais quatro autores. No dia 26 de junho, o selo curitibano promove o lançamento dos livros-contos Adoração à virgem, de Luci Collin, Árvore e cavalo, de Guido Viaro, Os relicários, de Andrey Michalzechen e O destino do poeta, de Izabel Campana. O evento acontece no Museu Guido Viaro, em Curitiba, a partir das 19 horas. A entrada é franca. Os livros são gratuitos.

A empresa surgiu durante a Quadra Cultural 2012, evento a céu aberto promovido por Arlindo Ventura, proprietário do bar O Torto. No dia 25 de fevereiro deste ano, data do evento que reúne música e outras artes, a Tulipas Negras distribuiu quatro mil exemplares. Os livros-contos de Fábio Campana (Pantera), Marcio Renato dos Santos (934), Renan Machado (Helena) e Cristiano Castilho (Compressa) – 1 mil exemplares de cada título – foram entregues ao público, estimado em 10 mil pessoas, que circulou pelas ruas do Setor Histórico da capital paranaense.

Devido ao sucesso inicial, a editora, que recebeu destaque em jornais, revistas, sites e blogs, segue para mais uma fornada, novamente de quatro autores, com tiragem de 4 mil exemplares, 1 mil de cada livro-conto.  O objetivo da editora é promover a circulação de contos. Uma empresária portuguesa, apaixonada por literatura, decidiu apostar na ideia. Ela, que prefere o sigilo para evitar o assédio de escritores-candidatos a serem publicados, encarregou o escritor e jornalista Marcio Renato dos Santos de selecionar os autores.

“A empresa consegue atingir o seu objetivo, que é oferecer ao público textos de qualidade sem custo e, ao mesmo tempo, os autores adquirem a visibilidade de suas obras”, diz Marcio.
 
Serviço: Lançamento da segunda fornada da Tulipas Negras, com os livros-contos Adoração à virgem, de Luci Collin, Árvore e cavalo, de Guido Viaro, Os relicários, de Andrey Michalzechen e O destino do poeta, de Izabel Campana. Dia 26 de junho, a partir das 19 horas, no Museu Guido Viaro (R. XV de Novembro, 1348), Curitiba. Entrada franca. Os livros são gratuitos.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Tulipas Negras, Uma aposta no conto e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta