Veja-se!

Gigola. George é uma jovem cheia de carisma e espírito aventureiro que nasceu numa família tradicionalmente católica. Na adolescência, ela se apaixona por sua professora Sybil. Anos depois, devastada pelo suicídio de sua amante, ela embarca numa jornada imprudente pela noite do bairro parisiense de Pigalle nos anos 60. Depois que ela conhece Odette, uma mulher mais velha, rica e atraente que lhe oferece dinheiro e presentes em troca de favores sexuais, George se transforma em Gigola, uma espécie de gigolô feminina. Título inglês: Gigola. Direção de Laure Charpentier. Ano de Produção: 2010. País: França. Duração: 101 min.

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Cinema, Cinema francês, Gigola, Laure Carpentier, Veja-se! e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta