Zé da Silva

© Sabina Petrovski

o poeta entrou aqui e trouxe o irmão junto que já se foi faz tempo e não conheci mas conheço pelas letrinhas e este irmão dele foi um raio tempestade ondas gigantes a engolir tudo e expelir como não acontece comigo que sou de marolas que às vezes incomodam não conhecia ele também só de ler e pelos dois serem irmãos da mulher de um amigo e ela tranquila assim acontece nas melhores e piores famílias e nas não famílias e por isso fico lendo aqui sobre essa merda de pós-verdade caralho onde estou se antes da verdade durante e depois só existe o que não sabemos e foi assim que o poeta deixou ali quando saiu meus livros todos gritaram da estante que porra é isso tudo de energia nossa senhora aparecida fez o sinal da cruz xangô abriu a cortina do rosto e deu uma olhada o pássaro de são francisco de assis voou do ombro e todas as imagens do espírito santo cantaram é assim mesmo do bem é roberto prado. Zé Beto

Sobre Solda

Luiz Antonio Solda, Itararé (SP), 1952. Cartunista, poeta, publicitário reformado, fundador da Academia Paranaense de Letraset, nefelibata, taquifágico, soníloquo e taxidermista nas horas de folga. Há mais de 40 anos tenta viver em Curitiba. É autor do pleonasmo "Se não for divertido não tem graça". Contato: luizsolda@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Zé da Silva e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Compartilhe Facebook Twitter

Deixe uma resposta