Carlos Bolsonaro

Publicado em Os fulanos estão enlouquecendo | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Não tem limite?

Jair Bolsonaro pode nomear um general para o lugar do ministro Gustavo Bebianno. Será o oitavo no ministério. Os generais são profissionais, têm visão e treinamento de Brasil. Não fazem bobagem.

O presidente faz bobagem sem parar. Deve ter sido a falta do curso de Estado Maior, exigido aos capitães para a promoção a major, ou os da Escola Superior de Guerra para as patentes superiores.

O generais têm sido pacientes, querem trabalhar para o Brasil e favorecer a imagem das forças armadas. Um dia eles cansam de segurar a barra de um capitão indisciplinado.

Publicado em Rogério Distéfano - O Insulto Diário | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Playboy – Anos 70

1976|Whitney Kaine. Playboy Centerfold

Publicado em Playboy - Anos 70 | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Veja-se!

Publicado em Veja-se! | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Benett

Alberto Benett – Plural

Publicado em Benett | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Publicado em Padrelladas | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Playboy – Anos 90

199004_Lisa_Matthews_011990|Lisa Matthews. Playboy Centerfold

Publicado em Playboy - Anos 90 | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Portfólio

helenadoisProdução: Usina de Kyno. Patrocínio: O Boticário. Apoio: Bamerindus/Fundação Cultural de Curitiba. Programação gráfica, cartaz, folheto e poemas digitalizados: Solda. Direção: Sylvio Back. Fotografia de Sérgo Sade. Década de 90

Publicado em portfolio | Com a tag , , , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Giana Van Patten. © Zishy

Publicado em tchans! | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Publicado em absolut | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

A Justiça e as tragédias no Brasil

A regra é que as tragédias no Brasil fiquem impunes e as vítimas não recebam indenizações, e quando recebem são de pequena monta. A exceção é que os culpados sejam punidos e as vítimas indenizadas de forma justa. Vamos a alguns exemplos, dentre muitos outros:

1961 – Incêndio num Circo – RJ, 503 mortos e 1000 feridos;
1974 – Incêndio Edifício Joelma – 180 mortos;
1982 – Acidente aéreo – Serra da Aratanha – 137 mortos;
1984 – Incêndio Vila Socó – 93 mortos;
1987 – Césio 137 – Goiânia – 4 mortos, centenas que desenvolveram câncer;
1988 – Naufrágio do Bateau Mouche – 55 mortos;
1996 – Acidente aéreo – Legacy e Boing – 154 mortos;
2000 – Vazamentos óleo na Baía de Guanabara – RJ (1,3 milhões de litros de óleo cru);
2000 – RJ e Araucária – PR (25 mil barris no meio ambiente);
2001 – Incêndio Canecão – MG, 7 mortos e 197 feridos;
2003 – Barragem de Cataguases – 50 milhões de prejuízos;
2007 – Barragem do Miraí – 2 milhões de litros de rejeitos de minério;
2007 – Acidente aéreo – 199 mortos;
2011 – Vazamento bacia de Campos – RJ – 3 mil barris de petróleo no mar;
2013 – Incêndio Boate Kiss – 242 mortos;
2015 – Incêndio Ultracargo – Santos – RJ, poluição ambiental de 9 ton. de peixes e 15 em extinção;
2015 – Rompimento da Barragem de Mariana – 19 mortos – 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos – o maior desastre ambiental registrado no Brasil, 700 km de danos;
2018 – Vazamento de petróleo no Rio Negro – Amazonas, 1,8 mil litros de óleo;
2019 – Rompimento da Barragem de Brumadinho – centenas de mortos e desaparecidos e 125 hectares devastados, prejuízos ainda em cálculo;
2019 – Incêndio no CT do Flamengo, 10 adolescentes mortos e 3 feridos;
2019 – Das 24 mil barragens no Brasil, 3.543 estão na categoria de Risco e 5.459 com Alto Risco de Dano Potencial Associado;

Dos desastres acima, a grande parte não teve suas indenizações pagas às vítimas ou às famílias remanescentes. E os culpados não foram condenados e provavelmente, não o serão. Por exemplo, no naufrágio do Bateau Mouche (1988) houve uma única condenação do Iate Clube carioca, com apenas uma pena administrativa (55 mortos).

No caso do desastre aéreo entre o jato Legacy e um Boing (154 mortos – 1996), os pilotos encontram-se em solo americano e ainda nem foram notificados de uma pífia condenação de 3 anos, um mês e 10 dias.

A negligência, imprudência e imperícia são a regra na maior parte desses desastres, bem como, a larga impunidade penal e civil.

Precisamos pensar num novo modelo legal que puna de forma célere esses crimes, que são tratados no Brasil como acidentes.

A tônica é sempre a mesma, processos individuais, excesso de recursos e de instâncias, o prêmio da morosidade processual.

Resumo da ópera, as indenizações são baixíssimas e quando saem, demoram décadas, os culpados ficam impunes.

Não temos um modelo de ações coletivas em caso de desastres coletivos. Por exemplo a nomeação de um administrador judicial para gerir o montante de indenizações em desastres cuja culpa é notória. Não temos a inversão do ônus da prova, não há a facilitação do atendimento às vítimas e seus familiares, sequer para pagar os sepultamentos.

Publicado em Claudio Henrique de Castro | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Flagrantes da vida real

Manoel Carlos Karam. Michelle Pucci, no pequeno monólogo de 30 minutos com direção da Nadja Naira e orientação da Luci Collin. Monografia de conclusão do curso de Letras da UFPR. Nota dez com louvor, em algum lugar do passado. © Maringas Maciel

Publicado em Flagrantes da vida real | Com a tag , , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

O poder por trás do trono

Um vereador que pensa que é Richelieu ou Bismarck

Muitos governantes têm à sua sombra um homem frio, discreto e leal que, por sua capacidade de observação e análise, os orienta sobre o que pensar, dizer ou fazer. É o poder por trás do trono. O cardeal Richelieu (1585-1642) foi esse homem para o rei Luís 13 na França do século 17. O chanceler Otto von Bismarck (1815-1898), para o imperador Guilherme 1º na Alemanha do século 19. E o folclórico Rasputin (1869-1916), para o czar Nicolau 2º na Rússia —nem sempre o trono se dá bem. 

No Brasil, José Bonifácio (1763-1838) foi uma das forças por trás do príncipe d. Pedro no Fico e na Independência. O poeta Augusto Frederico Schmidt (1906-1965) soprou a Juscelino Kubitschek, entre outras, o “50 anos em 5”. Mas ninguém bate o advogado Jorge Serpa(1923-2019): pegava o telefone e falava diretamente com JK, Jango, Tancredo, Collor, Itamar, Sarney e FHC. Era um homem de grande influência. Mas apenas dez amigos o levaram ao túmulo outro dia.

Hoje, no Brasil, temos um candidato a esse posto. É o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), atualmente em seu quinto mandato na Câmara Municipal do Rio —cidade que ele abandonou, e logo agora, em que ela passa por uma crise atrás da outra.

Para que serve um vereador? Para legislar, fiscalizar e morder os calcanhares do prefeito ou, ao contrário, lhe fazer festinhas. Não lhe compete tapar buracos, mas pode obrigar o alcaide a tomar providências. Suas ocupações compreendem desde o Orçamento anual até a ocupação irregular das encostas e o esgoto entupido. Sua jurisdição é municipal. Só deveria ir a Brasília a passeio, e olhe lá.

Mas Carlos Bolsonaro, filho do presidente, não sai do Planalto e não larga o pai por um instante. Tuíta desaforos, demite ministros, desmoraliza generais. Deve julgar-se um Richelieu, um Bismarck mirim. Mas, pelo ritmo da tragédia, está fazendo lembrar Brutus, que César via como um filho.

Publicado em Ruy Castro - Folha de São Paulo | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Kate Middeton.TaxiDriver

Publicado em Amostra Grátis | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

É o bicho!

© Roberto José da Silva

Publicado em zé beto | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

STJ julga devolução de espingarda a condenado por porte ilegal de arma

Em meio ao debate sobre projeto que prevê porte de arma de fogo para defesa pessoal e patrimonial, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgará recurso que trata de devolução de espingarda a um condenado por porte ilegal de arma.

O Ministério Público do Estado de São Paulo interpôs recurso a fim de anular parte de acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo, que deferiu a restituição da espingarda.

O STJ informa que o produtor rural Dorivaldo Antônio Pansani, de São Paulo, comprovou ser o proprietário da arma, que, segundo afirmou, utilizava para “espantar javaporcos” que estavam destruindo sua plantação de milho.

Ocorre que a Terceira Seção do STJ tem entendimento de que a condenação por porte ilegal de arma acarreta a perda do armamento. O relator é o ministro Sebastião Reis Júnior, da Sexta Turma.

Eis um resumo dos fatos, segundo o recurso do MPE:

Dorivaldo Antônio Pansani foi condenado como incurso no art. 14 do Estatuto do Desarmamento a dois anos de reclusão e multa, porque, no dia 1º de abril de 2013, na Estrada Municipal Cardoso, portava uma arma de fogo do tipo espingarda, marca Boito, numeração Pl 560438, calibre 36 e três cartuchos metálicos, marca CBC, calibre 36, em desacordo com determinação legal ou regulamentar.

Após a condenação, o acusado pleiteou a devolução da arma de fogo, tendo havido indeferimento no juízo de origem.

O sentenciado recorreu e, após parecer da douta Procuraria de Justiça pelo improvimento do recurso, a Colenda 16ª Câmara de Direito Criminal deu provimento ao recurso, por votação unânime, para deferir a devolução da arma de fogo.

O MPE entendeu que houve omissão no acórdão, que “não se manifestou sobre a regra contida no art. 25 da Lei n. 10.826/2003, que prevê o encaminhamento das armas de fogo apreendidas ao Comando do Exército, não permitindo sua restituição ao autor da infração penal”.

Ainda segundo o MPE, ao deixar de analisar a questão suscitada pela Procuradoria Geral de Justiça no julgamento de embargos de declaração, “a Douta Turma Julgadora contrariou o artigo 619 do Código de Processo Penal, o que deve ensejar sua anulação, para que outra decisão seja proferida”.

Publicado em Frederico Vasconcelos - Folha de São Paulo | Com a tag , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Tempo

lina-beto-guiz-dante-mendonçaLina Faria e Beto Guiz, em algum lugar o passado. © Vera Solda

Publicado em tempo | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Reforma da Previdência: o pior vendedor de um produto essencial

Jair Bolsonaro não é um bom garoto-propaganda da Reforma da Previdência. E não estou dizendo isso por causa de sua personalidade destrambelhada, demonstrada de forma impactante nesse episódio da demissão do ministro Gustavo Bebianno, quando, numa só tacada, demonstrou total falta de lealdade com parceiros e com pessoas motivadas a se articular para resolver problemas de governo. Só não entende o recado quem for muito besta. Quando Bolsonaro estiver metido em encrenca, o político que não tomar cuidado ao dar-lhe a mão pode acabar ficando mais arrasado que o presidente.

O complicador de Bolsonaro no papel do presidente com a proposta de reforma é sua trajetória política como deputado federal. Na Câmara, ele foi sempre contrário a essa questão, do mesmo modo que se posicionou com radicalismo no ataque a tentativas de organização e do controle fiscal por parte do Governo Federal, independente do partido que estivesse no governo. Bolsonaro foi contra até o Plano Real. Militou e votou contra um plano econômico da maior importância, que ficou comprovado ter sido fundamental para evitar que o Brasil caísse num buraco de onde dificilmente se livraria um dia.

No caso da Reforma da Previdência, sua atuação contrária como deputado foi ainda mais extremada, aproveitando para defender privilégios, garantindo votos entre os militares e popularidade entre os milhões de desavisados sobre a imprescindível necessidade da reforma. Mexer na Previdência foi sempre um risco sério de impopularidade e muitos políticos responsáveis e muito mais qualificados que Bolsonaro deixaram de se eleger por não concordar em atuar de forma demagógica numa grave questão econômica.

Bolsonaro atuou de forma espetacular contra a Reforma da Previdência e teve largos benefícios eleitorais, atingindo com essa e outras demagogias insensatas um sucesso inédito na política brasileira, se elegendo presidente da República. Sua trajetória é a melhor propaganda contra a Reforma da Previdência e o pessoal que está hoje na Câmara dos Deputados sabe muito bem disso.

Publicado em José Pires - Brasil Limpeza | Com a tag , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Vai lá!

Abecedário-jotaBrasil Limpeza

Publicado em vai lá! | Com a tag , , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter

Contravérbios

bione-dois

Publicado em Contravérbios | Com a tag , , , | Deixar um comentário
Compartilhe Facebook Twitter