Torquato Neto

flyer-torquato

Publicado em Caetano Veloso, Guarabyra, solar da fossa, toninho vaz, Torquato Neto, Tristeresina | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Tempo

Publicado em Grande Garagem, Grande Garagem Que Grava, radiocaos, Samuel Ferrari Lago, tempo | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Bolsa-palavra

Entre a terra de Utopia e a ilha da Fantasia, se encontra a península de Ironia. Ela avança sobre o mar de Ignorância, onde ondas de sandices vêm bater nos rochedos debochados. Esse choque produz uma maresia carregada de não se sabe quais nutrientes, que se depositam sabe-se lá como nas planícies irônicas. O resultado dessa luta do rochedo contra o mar não é um samba-enredo mas uma verdejante horta nas regiões irrigadas pelas gotículas desinstruídas do Oceano Analfabético.

O resultado é que em Ironia não falta comida. Ao contrário, a fartura é tanta, as safras descomunais, que as autoridades priorizam o abastecimento, em detrimento da educação. O resultado é que, em vez de escolas, Ironia tem redes oficiais de restaurantes e lancherias. E o povo é obrigado a freqüentá-las.

Assim, o ano-letivo se passa não por entre classes e sim em meio a mesas e fogões. O corpo docente é formado por cozinheiras e mestres-cucas, e o reitor da universidade é um gourmet – todos, vai se ver, autodidatas. E o currículo é feito de noções culinárias e nutricionais. O que se ensina em Ironia é como se saciar, como engordar. O que se aprende é como dar conta da produção hortifrutigranjeira. Tão ocupados ficam nisso que não há tempo nem pro abc. O resultado é que, nessa terra em que até sem plantar tudo dá, o povo é fofinho e corado mas padece de anemia vocabular e há surtos constantes de discordância verbal.

Por isso o irônico governo instituiu o programa Bolsa-Palavra, para atender aos desassistidos intelectualmente. Isto é, todos. O Bolsa-Palavra contempla a população em idade escolar, desde que as famílias comprovem que não faltam às refeições diárias. O que é controlado em pesagens nos postos de distribuição. É que quanto mais nutridos, mais palavras recebem. Daí as tentativas de fraude: é comum alunos com nabos e pepinos nos bolsos diante da balança. Gramas por fonemas, pretende o golpe da criançada ávida  por polissílabos.

Cada Bolsa-Palavra vem com porções básicas de vocabulário, que devem prover os índices mínimos requeridos pela OMS, a Organização Mundial de Sílabas. Mas como em Ironia é escassa a boa expressão, o programa apresenta falhas: palavras com grafia errada, pronúncia incorreta, falta de acentuação. Também se aponta desvio de verbos, que vão, justamente, para a alta cúpula dos comensais administrativos. O resultado é que o Bolsa-Palavra continua ironizado.

(Texto originalmente publicado no jornal Extra Classe, em out/2007)

Publicado em biscoito fino, Bolsa-palavra, fraga, Humor gaúcho, outubro|2007 | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Mural da História

Charge publicada n’O Ex-tado do Paraná, em algum lugar do passado.

Publicado em Charge Antiga, Charge Solda, o ex-tado do paraná, scubidu, solda | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Bah!

Foto de Misqui, o popular Vanuzei

Publicado em aliens & predadores, Bah!, Don Suelda del Itararé, solda | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Na minha estante

frazeta

Frazetta, Book Two, edited by Betty Ballantine.

Publicado em Aftosas soldações, Betty Balantine, Don Suelda del Itararé, Frank Frazzeta, Frazzeta - Book Two, Na minha estante, nora drenalina, solda, Soldade, Soldatti, soruda | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Piauí

Montagem da exposição “10enhistas de Humor do Paraná”, cartum de Cesar Marchesini, Salão Internacional de Humor do Piauí, Teresina, 2004. Foto de Soruda

Publicado em 10enhistas de Humor do Paraná, piauí, salão internacional de humor do piauí, soy loco por teresina, teresina, Teresina|2004 | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 3 comentários

Elas, por ele

920.-Jan-Saudek,-Uncomfortable-1Uncomfortabe. Foto de Jan Saudek, craro, cróvis.

Publicado em Cartunista Solda, Elas - por ele, Fotógrafo tcheco, Jan Saudek, soruda, Uncomfortable | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Lançamento triplo

Convite-lançamento-triploTodo mundo lá!

Publicado em 100 anos Saraiva, Alcy e Bel Linares, Almanaque da Bola, Bel & Alcy, Lançamento triplo, leia-se!, Se essa Rua Fosse Minha, Serafim, Venha bater um bolão com a Saraiva! | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Álbum

baiano-para-blogbaiano

Publicado em alberto melo viana, álbum, Baiano, Cartunista Solda, Don Suelda del Itararé, fotografia, nora drenalina, O Solda nosso de cada dia, prof. thimpor, solda, solda cáustico, soruda | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Mural da História

15-9-2010-CONTRACAPA15 de setembro, 2010 – O Ex-tado do Paraná

Publicado em Charge Antiga, Charge Solda, Don Suelda del Itararé, mural da história, nora drenalina, o ex-tado do paraná, prof. thimpor, solda cáustico | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Alton Ellis

Publicado em Alton Ellis, Bermuda e Chinelão, Cartunista Solda, Jamaica, ova-se! | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Tchans!

amigos-do-peito5Paige Duke. TaxiDriver

Publicado em amigos do peito, Cartunista Solda, Don Suelda del Itararé, nofa!, nora drenalina, Paige Duke, solda cáustico, TaxiDriver, tchans!, tetas ao léu, women | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 comentário

Acústico Rock’n'Roll

balalaicafábio-elias

Publicado em agenda cultural, Fábio Elias, Fabio Elias - Acústico rock'n'roll, Lavenka Bar, solda, solda cáustico | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Pra mim chega!

Nacos de verdade deixam um vazio amargo. De uma intensidade tal que, mesmo passado alguns anos desse tempo obscuro são uma denúncio sempre que evocados. “Pra Mim Chega!” é o último poema de Torquato Neto. Um poema holocausto. Um bilhete suicida. Depois desse bilhete, o ato, e Torquato o fez. Nosso respeito e nossa homenagem ao seu trabalho e ao seu humor fatal. No Sul não se faz um humor risonho e franco. A mordaça é grande, a mordacidade maior, não é Millôr? Rettamozo. Tiago Recchia, Solda, Retta, Miran, Douglas Mayer e Dante Mendonça. Março, 1979, Editora Beija-Flor. Capa e coordenação editorial de Rettamozo.

Orelha de livro a gente escreve de ouvido? Já dizia Millôr Fernandes que “humor é coisa séria”. E quando seis paranaenses, oriundos dos quatro cantos do pais unem-se para fazer humor, o resultado é um livro maravilhoso, divertido, louco, sadio, idiota, ih… que papo furado…

Tiago é de Tubarão. Pescador de sutilezas: o que cai na rede, deixe. Publicou na Folha de Londrina, e hoje, no Correio de Noticias. Solda é de São Paulo, apóstolo non-sense, premiado várias vezes em Piracicaba e por esse Brasil afora. Publica na revista Atenção, Passarola, Personal-Humor. Retta, um dos raros paranaenses que não são catarinenses: nasceu em São Borja. Humoreja como quem doma potro chucro. Chicoteia o texto, montado no surrealismo… e … lá vamos nós de vereda no papo furado. Miran é de Paranaguá – o mar cercado de ilhas por todos os lados. Editou até no Pardon, na Alemanha. Premiado em Nova Iorque e até aqui. Editor da Raposa. Douglas é de Ponta Grossa (dizem), mas não vai nisso nenhuma propaganda. Ataca no Jornal de Indústria e Comércio e no Diário do Paraná. Dante é catarina, mas curte Curitiba como se fosse polaco. Atualmente no Estado do Paraná e na Tribuna do Paraná. 

Todos juntos, cada um por si, e nenhum por todos, deu no que deu: este livro… e lá vamos nós de novo nesse papo furado. Nelson Padrella. Quem procurar, acha. Solda

Publicado em Douglas Mayer, miran, Nelson Padrella, Pra mim chega!, retta rettamozo, solda, Tiago Recchia, Torquato Neto | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Tratado Glauco de Versificação

Glauco-Mattoso

Foto Dozotros

Poucas pessoas entendem tanto de técnica do verso quanto o poeta paulistano Glauco Mattoso, ex-editor do “Jornal Dobrabil” nos anos 1970.  Glauco celebrizou-se como uma vanguarda-de-um-homem-só, de uma marginalidade escancarada e escandalosa. Em seu trabalho misturam-se a impudência gay e o datilografismo como linguagem verbivisual, o concretismo e a coprofagia, o rock skin-head e o anarquismo político, o sadomasoquismo e a desconstrução metalinguística, o soneto impecável e o pecado mortal.  Pode ser que em algum lugar remoto do mundo (no Butão, na Bósnia, no Camboja) exista algum poeta com fórmula parecida.  No Brasil não tem. Acaba de sair, pela editora Annablume (São Paulo) o “Tratado de Versificação” em que Glauco exporta para o papel impresso o copioso material teórico, exemplificado, que já estava disponível em seu saite.  O nome diz tudo: é um tratado ensinando a identificar, reconhecer e utilizar as possibilidades métricas do verso.  Ouso afirmar que a maioria dos poetas sérios das nossas Academias de Letras não conhece essa técnica tão bem quanto o ceguinho punk-escatológico de Vila Mariana.  Eu, que também não conheço, fico feliz com a publicação do livro, porque sou gutemberguiano e paleozóico, e de agora em diante, quando tiver uma dúvida técnica (“Minha Nossa Senhora, isto aqui é um dáctilo ou um espondeu?  É um heróico puro ou um alexandrino andrógino?”), basta ir à estante, em vez de ligar a geringonça cibernética e aguardar conexão.

Aviso logo que sou suspeito para falar, porque sou discípulo poético do autor e sou citado no livro, com glosas a uns motes de jaez fescenino que não me atrevo a repetir aqui, pois esta coluna é lida pela família paraibana. Glauco disseca não apenas as formas métricas clássicas do soneto, da ode, etc., mas também deita e rola na métrica da nossa poesia popular (sextilha, mourão, martelo, etc.) que ele domina com uma maestria de fazer inveja àqueles violonistas japoneses que tocam samba tão bem quanto Baden Powell.

Num artigo na revista eletrônica “Cronópios”, Glauco afirma, com a ortographia antiga que prefere: “As ultimas gerações litterarias se accommodaram na desculpa de que, tendo as modernas tendencias ‘abolido’ as formas fixas, todos os poetas estariam automaticamente desobrigados de dominar e até de conhecer regras de versificação. Isso me lembra um bando de alumnos relapsos que, certos da approvação pela ‘progressão continuada’, consultam seus botões: ‘Estudar p’ra que, si ja passei de anno? Apprender a compor versos? Pra que, si ja me considero poeta e ninguem me desmente?”.

A poesia marginal dos anos 1970 trouxe de volta à poesia em geral doses de irreverência, de coloquialismo, de informalidade, de palavrão, de gíria, de ludismo verbal sem compromisso.  Neste processo, perdeu-se (mas não em Glauco Mattoso) um tipo de conhecimento técnico que este manual recupera.  Não é por existir o rap que devemos jogar no lixo as partituras.

Braulio Tavares

Publicado em Braulio Tavares, Don Suelda del Itararé, Glauco Mattoso, nora drenalina, prof. thimpor, solda cáustico, soruda, Tratado Glauco de Versificação | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Noviski

noviski-S7300668Na casa do grande cartunista: Zé Beto (nosso Bruce Willis), Noviski, Soruda e o chevetão abarrotado de vasilhames, em algum lugar do passado. Foto de Airton Noviski Neto

Publicado em Airton Noviski Neto, Chevetão abarrotado de vasilhames, nora drenalina, Noviski, O Solda nosso de cada dia, Prorf. Thimpor, solda, soruda, Zé Beto - o nosso Bruce Willis | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Mural da Hitória

Charge publicada n’O Ex-tado do Paraná, em algum lugar do passado.

Publicado em Arnold Toynbee, Cartunista Solda, Charge Solda, Chargetas, de novo, Eleições 2012, Ex-tado do Paraná, mural da história, O maior castigo | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Aviso aos navegantes

dedo-em-riste

Publicado em Aviso aos Navegantes, Dedo em riste, itararé, Nunca copiei ninguém!, Os incomodados que se mudem | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Aviso aos navegantes

boy-frowning-300x400

O blog está de braços cruzados porque o blogueiro está com as mãos ocupadas.

Publicado em Aviso aos Navegantes, Blogueiro com as mãos ocupadas, braços cruzados, soruda | Com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário